O Programa O Programa

Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical da UFPE lançou edital de seleção para interessados em ingressar no corpo discente dos cursos de mestrado e doutorado no ano letivo de 2019. A inscrição se realizará na Secretaria da Pós-graduação em Medicina Tropical, entre os dias 20 setembro a

26 de outubro de 2018, entre 09:00 às 12:00 e 13:00 às 17:00 horas, pessoalmente ou através de procurador, mediante a apresentação de instrumento de mandato.

 

A inscrição poderá ser realizada por correspondência via SEDEX, desde que postada até a data de
encerramento das inscrições e recebida pelo Programa em até 3 (três) dias da mesma data, não se
responsabilizando o Programa por atrasos ocorridos na entrega postal.

As inscrições por correspondência serão verificadas no momento do seu recebimento pela Comissão de
Seleção e Admissão no que se refere ao cumprimento dos requisitos para a sua aceitação, conforme item 2.

São de inteira e exclusiva responsabilidade do candidato as informações e a documentação por ele
fornecidas para a inscrição, as quais não poderão ser alteradas ou complementadas, em nenhuma hipótese e/ou a qualquer título. Todas as documentações exigíveis serão entregues em envelope fechado pelo candidato, que será devidamente inserido, pela comissão organizadora, em envelope com lacre na presença do candidato. O candidato receberá um código de inscrição que será a sua identificação durante processo seletivo. Os candidatos que fizerem a inscrição por correspondência via SEDEX receberão o código via email.

 

São fixadas em 12 vagas (6 para médicos e 6 para outros profissionais na área de saúde) para o Curso de
Mestrado e 12 vagas (6 para médicos e 6 para outros profissionais na área de saúde) para o Curso de Doutorado.
Haverá 02 vagas institucionais adicionais, sendo uma para Mestrado e outra para Doutorado, segundo a
resolução Nº 01/2011.

 

Para o Curso de Mestrado, exige-se graduação, reconhecida pelo MEC, nas áreas de Medicina,
Farmácia/Bioquímica, Biomedicina e Ciências Biológicas (licenciatura e bacharelado); e para o Curso de
Doutorado, mestrado na área de Medicina Tropical, Doenças Infecciosas e Parasitárias, Parasitologia,
Microbiologia, Imunologia, Farmacologia, Bioquímica, Epidemiologia, Saúde Pública/Saúde/Coletiva, realizados em instituições reconhecidas pela CAPES/MEC.

Poderão se inscrever para o doutorado candidatos sem a titulação de mestre, respeitada a Resolução
10/2008 do CCEPE.

 

Link do Edital:

https://www.ufpe.br/documents/38962/1124892/bo76.pdf/a72aafd5-721f-4c35-aaac-98ab92a9dfde

 

Lembrete: Na pág. 28 do Edital (BO76.pdf), favor considerar o código da unidade gestora constante no texto e não na imagem para gerar a GRU (vide também abaixo) o preenchimento:


Unidade Gestora: 153098 - Gestão: 15233 – Universidade Federal de Pernambuco
Código de Recolhimento: 28832-2 – Serviços Educacionais

 

 

 

 

 

 

 

 

A Pós-Graduação em Medicina Tropical foi criada em 1973 oferecendo curso de Pós-graduação em Nível de Mestrado para médicos. No ano de 2000 passou a oferecer cursos em nível de Mestrado e Doutorado e tornou-se multidisciplinar, ampliando sua proposta para outros profissionais que pesquisam e trabalham com Doenças Infecciosas tais como Farmacêuticos e Bioquímicos, Biólogos e Biomédicos. No momento, o Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical da UFPE é constituído atualmente por 15 professores/pesquisadores (13 permanentes e 02 colaboradores). A maioria dos docentes/pesquisadores é do Departamento de Medicina Tropical, com incorporação de pesquisadores de outros Departamentos da UFPE (Ciências Farmacêuticas, Clínica Médica, Medicina Clínica, Fisiologia e Farmacologia, Micologia). Desta forma, a formação e experiência em pesquisa diversificada dos docentes permanentes, englobando as áreas de Doenças Infecciosas e Parasitárias, Imunologia, Microbiologia, Parasitologia e Virologia, Epidemiologia e Saúde Pública, possibilita o desenvolvimento de investigações em diversas áreas do conhecimento, integrando pesquisa de área clínica, com o campo da investigação de áreas básica/experimental, da epidemiologia e da saúde pública.

Devido a esta interdisciplinaridade, as linhas de pesquisa tomam como base os estudos clínico-epidemiológicos das doenças infecto-parasitárias e os estudos relacionados da área básica que ressalta a relação hospedeiro-parasita. Dentro destes dois aspectos, foram descritas 7 linhas de pesquisa:HIV/AIDS; infecções virais; micobacterioses- tuberculose e hanseníase; resistência/virulência bacteriana e fúngica; protozoonoses; helmintíases; doença infecciosas e a imunidade imune inata). Como projeto isolado, destacamos o estudo envolvendo Sífilis gestacional e congênita.

Dentro das linhas de pesquisa supracitadas, os seguintes temas são abordados:

Linha de Pesquisa 1: HIV/AIDS - Descrição: Essa linha tem como meta aprofundar o estudo dos fatores que podem influenciar a evolução e o desfecho dos pacientes com HIV/AIDS como por exemplo: alterações metabólicas, cardiopatias, distúrbios neurocognitivos relacionados a própria infecção pelo HIV e a terapia antiretroviral. Abrange também esforços para a identificação precoce das infecções oportunistas e neoplasias relacionadas à doença, por meio de estudos que validem novos métodos diagnósticos, assim como estudos clínico-epidemiológicos e de prevalência que evidenciam as principais afecções que acometem as pessoas que vivem com o HIV/Aids no estado de Pernambuco.

Linha de Pesquisa 2: Infecções Virais - Descrição: Estudos que abordam a prevalência de marcadores sorológicos (anticorpos, antígenos, ácidos nucleicos) e fatores de riscos para diferentes infecções virais (CMV, HHV, HTLV, HGV, HPV, Influenza, Rotavirus, Arboviroses), como análise epidemiológica e molecular realizada em indivíduos sadios e em indivíduos imunocomprometidos, destacando também o aprimoramento e validação de técnicas de diagnóstico da infecções pelo vírus da dengue e das hepatites virais, focando a busca de marcadores virais e do hospedeiro que possam monitorar e prevenir gravidade e cronicidade, facilitando o acompanhamento dos pacientes em Pernambuco e outros estados da região nordeste.

Linha de Pesquisa 3: Micobacterioses-Tuberculose e Hanseníase - Descrição: Estudar aspectos clínico-epidemiológicos da tuberculose e da hanseníase que possam contribuir na orientação das medidas de controle dessas doenças que constituem grave problema de saúde publica na região nordeste do Brasil. Avaliar e propor métodos para o diagnóstico clínico/laboratorial das mesmas, favorecendo dessa forma, o seu controle, bem como estudos da resposta imunológica do hospedeiro.

Linha de Pesquisa 4: Resistência/Virulência Bacteriana e Fúngica - Descrição: Estudo de caráter descritivos da população de bactérias e fungos, envolvendo diagnóstico e caracterização morfológicas (fenótipo), bem como, a determinação de características genética de microrganismos (molecular) a fim de caracterizar fatores de virulência e de resistência, de isolados de ambiente hospitalar, aos diferentes antimicrobianos, com especial ênfase em pacientes internados nas Unidades de Terapia Intensiva.

Linha de Pesquisa 5: Protozoonoses - Descrição: Estudos que abordam a resposta imune do hospedeiro frente as infecções por parasitas, no intuito de obter marcadores sorológicos de cronicidade ou agravamento da doença. Desta forma avalia padrão de resposta imunológica como determinante das manifestações clínicas em portadores de doença de chagas crônica e leishmanioses. A linha de pesquisa abrange ainda estudos sobre fatores de risco e Imunodiagnóstico nas leishmanioses tegumentar e visceral e toxoplasmose. No âmbito dos protozoários extracelulares, avaliação a resposta imune durante a presença de Giardia lamblia e a inter-relação com as doenças alérgicas.

Linha de Pesquisa 6: Helmintíases - Descrição: Esta linha contempla estudos epidemiológicos da esquistossomoses e filariose no estado de Pernambuco, abrangendo a utilização e validação de diagnósticos clínicos e laboratoriais mais precisos na fase aguda e crônica da doença. Na área de estudo imunoparasitologia, engloba investigações voltadas para o efeito do tratamento para as infecções helmínticas, Avaliando in vitro efeitos da capacidade imunomodulatórias de candidatos às drogas esquistossomicidas e antifibróticas. No intuito de fornecer conhecimento sobre componentes parasitários como ferramenta imunorregulatórias, estuda influência da infecção por helmintos ou extrato destes vermes na resposta imune para antígenos heterólogos (produção de anticorpos, citocinas, perfil de linfócitos TCD4+) analisando a resposta aos alérgenos (cutânea e doença clínica) em pacientes infectados com helmintos, bem como, em modelos experimentais a resposta imune a autoantígenos, abordando ainda a influência da gestação e amamentação em mães infectadas na imunidade do descendente à longo prazo, ou seja na vida adulta.

Linha de Pesquisa 7: Doenças Infecciosas e a Imunidade Imune Inata - Descrição: Estudos que abordam a imunidade inata, frente aos diferentes patógenos, avaliando o Potencial microbicida de macrófagos mediante ao estado fisiológicos e nutricionais do hospedeiro.

Linha de Pesquisa 8: Biologia de Vetores e Reservatórios de Agentes Infecciosos de Importância Médica - Descrição: Estudos relacionados as respostas celulares e moleculares na interação do patógeno com o hospedeiro invertebrado; Perspectivas: Esta linha é de extrema importância uma vez que muitos hospedeiros invertebrados estão envolvidos no ciclo de transmissão de algumas doenças tropicais de caráter endêmico e epidêmico em nosso pais. E estudos com estes invertebrados são necessários visando fornecer conhecimentos que no futuro possam ser aproveitados na elaboração de métodos de controle da doença (como p.e. interrupção do ciclo biológico do parasito no hospedeiro-vetor)

Projeto Isolado: Sífilis - Descrição: O projeto tem como objetivo realizar uma validação do teste rápido conjugado não treponêmico/treponêmico (DPP para sífilis) que está sendo produzido no Brasil e avaliar a vulnerabilidade para sífilis gestacional e congênita em mulheres residentes em Recife (e seus conceptos) admitidas para parto ou curetagem pós-parto nas maternidades do Recife que atendem ao SUS.

O Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical é hoje uma referência para a formação de recursos humanos ao nível de Mestrado e Doutorado. Dos estados da Paraíba, Alagoas e Ceará, são vários os profissionais da área da saúde, docentes de Universidades Federais, Estaduais e/ou Instituições Privadas, que buscam os conhecimentos científicos e/ou tecnológicos aqui existentes, para enfrentar os problemas de saúde locais.

Os projetos de seus docentes e pós-graduandos tem resultado em publicações em revistas nacionais e internacionais tradicionais além de pesquisas financiadas pelo Ministério da SaúdeCNPq, FACEPE e Organização Mundial da Saúde. Atualmente está classificada com conceito 5 pela CAPES e realiza processos seletivos anuais. Os prazos para conclusão de cursos são de 24 meses para o mestrado e 48 meses para o doutorado.

Objetivos:

Devido à consistência e abrangência do seu corpo docente no conhecimento das doenças infecto-parasitárias temos como objetivos a formação de mestres e doutores qualificados e o aprimoramento constante dos docentes, refletidos pelo reconhecimento dos projetos por agências de fomentos nacionais, bem como, a inserção internacional de docentes/discente e a internacionalização do programa. Desta forma, atraindo alunos de graduação para a formação acadêmica/científica e permitindo constante renovação do saber científico/tecnológico.

1.Formação de mestres e doutores qualificados: O eixo básico do Programa constitui-se em propiciar aos alunos uma formação sólida em pesquisa quantitativa. Para isto, a grade curricular básica é composta por disciplinas direcionadas ao aprofundamento metodológico de pesquisa, enquanto aquelas relacionadas à área específica são cursadas de acordo com o projeto (dissertação ou tese) a ser desenvolvido. Quanto às linhas de pesquisa, priorizam-se aquelas ligadas aos problemas de saúde da região e procura-se integrar diferentes enfoques e abordagens. Os estudos conduzidos objetivam fornecer subsídios para enfrentar as questões locais em consonância com os avanços científicos e tecnológicos existentes, permitindo ao egresso capacitação para coordenação/colaboração em projetos de pesquisa ou a chefia/coordenações de ações e setores de instituições de saúde do estado.

2.Aprimoramento constante dos seus docentes: Com a participação dos docentes nas disciplinas oferecidas na grade curricular, permite a atualização constante dos mesmos, bem como, os intercâmbios e colaborações nacionais e internacionais, favorecendo a troca de conhecimentos em uma discussão mais ampla da aplicação do conhecimento obtido com os resultados, onde a autocrítica e a expertise são renovados.

3. Desenvolver projetos que busquem a excelência dos resultados, através de uma revisão de literatura e metodologia pertinentes e bem estruturadas para que tenham o seu reconhecimento E apoio financeiro na comunidade científica nacional e mundial.

4.Proporcionar credibilidade e visibilidade através de publicações de impacto internacionais dos resultados dos projetos desenvolvidos e vinculados as tese/dissertações para inserção internacional reconhecida pela revisão de periódicos e participação em corpo editorial e projetos internacionais.

5.Proporcionar intercambio entre alunos das diferentes instituições parceiras, participação de membros da comunidade científica internacional em coorientações, cursos atualização ministrados em nossa pós-graduação, com consequente oficialização de convênios entre as instituições.

 

Número da portaria de reconhecimento: Nº 1077/2012 do MEC de 31/08/2012 publicação D.O.U: 13/09/2012