Sobre Sobre

 

Institucional

 

Descrição e quantificação

 

A UFPEDA é uma Coleção especializada em bactérias, predominantemente actinobactérias e outras eubactérias de interesse científico e tecnológico nas áreas industrial, médica, agropecuária e ambiental. Atualmente, a Coleção dispõe de um acervo catalogado com aproximadamente 5.000 linhagens microbianas, com predominância de bactérias da ordem Actinomicetales. Além dessas, destacam-se dentro do acervo sub-coleções do gênero Zymomonas, Clostridium, Bacilllus, Lactobacillus, Leuconostoc, Pseudomonas e outras, formadas, na sua maioria, por linhagens, ainda não identificadas, de isolados plantas (endofiticos e rizosfera), de resíduos sólidos urbanos, e de poços e áreas contaminadas por petróleo, algumas produtoras de biosurfactantes, através de projetos financiados pela FINEP/CTPETRO, FINEP/CTPETRO/CNPq, como parte da Rede RECUPETRO – Rede Cooperativa em Recuperação de Áreas Contaminadas por Atividade Petrolífera, que engloba os Estados de Pernambuco, Bahia e Ceará. Fazem parte do acervo, também, leveduras de uso industrial, pertencentes à espécie Saccharomyces cerevisiae, em função da interação existente entre o Departamento e a indústria sucro-alcooleira da região Nordeste, com a qual sempre manteve estreita parceria, na forma de pesquisas associadas ou prestação de serviços.

 

Finalidade, importância biológica e biotecnológica

 

A Coleção de Microrganismos UFPEDA foi inicialmente criada como uma coleção de pesquisa, entretanto, sempre assumiu também um caráter de coleção de serviços, fornecendo culturas padrões para pesquisa, ensino, realização de testes antimicrobianos, validação de antibióticos e controle de qualidade para testes envolvendo microrganismos.

Predominam em sua coleção actinomicetos, particularmente do gênero Streptomyces, de reconhecida importância industrial devido ao seu amplo potencial biotecnológico. Tais bactérias têm tido um papel fundamental na produção de insumos por via fermentativa, na indústria farmacêutica, por serem responsáveis por cerca de 80% dos antibióticos comercializados. Devido à produção de antibióticos, ocupam o segundo lugar na geração de divisas para a indústria biotecnológica no mundo. Esses microrganismos produzem ainda, substâncias anticancerígenas, enzimas (com aplicação na indústria têxtil, de alimentos, de papel e celulose) pigmentos naturais, ácidos orgânicos, vitaminas, e outros compostos de valor comercial. Dentre outras aplicações têm se destacado na biorremediação de poluentes, na biolixiviação e recuperação de minérios, nas áreas relacionadas ao uso de microrganismos em meio ambiente. A subcoleção, formada por bactérias da espécie Z. mobilis, é de grande interesse biotecnológico. As Zymomonas produzem etanol, a partir de glicose, com velocidades específicas e rendimento de processos superiores aos das leveduras. Por ser facilmente manipulada geneticamente, isso as transforma em candidatas atrativas para serem usadas na produção industrial. Além disso, têm sido apontadas como promissoras para produção de ácido glucônico, sorbitol, levana e oligossacarídeos. A levana, exopolissacarídeo de frutose, possui comprovada ação antitumoral, imunomoduladora e imunoestimulante. Destaca-se, também, a subcoleção de Bacillus. O gênero Bacillus é um dos mais importantes do ponto de vista industrial, devido à grande diversidade em tipos fisiológicos encontrados, juntamente com o fato de que a maioria dos membros do gênero são não-patogênicos, relativamente fáceis de manipular por genética, bons excretores de proteínas e metabólitos, e simples de cultivar. Produtos de Bacillus comercializados hoje incluem enzimas, antibióticos, inseticidas e vitaminas.

Em decorrência da tradição mantida pelo Instituto de Antibióticos (hoje Departamento) no desenvolvimento de produtos para fins industriais, e ao longo de sua história ter estreitado os laços com as empresas locais, coube ao Departamento, através da sua Coleção, a tarefa de isolar, manter e preservar culturas estratégicas. Podem ser citadas aqui, leveduras de interesse nos processos da indústria de fermentação alcoólica regional, bem como, culturas microbianas, chave nos processos de geração de produtos: DACTINOMICINA (Streptomyces parvulus) e IMUNOPARVUM (Propionobacterium acnes), comercializados pelo LAFEPE (Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco), e FLORAX (Saccharomyces cerevisiae), comercializado pela HEBRON.

 

Utilização, usuários e beneficiários

 

A Coleção UFPEDA preserva as culturas estratégicas para o Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco - LAFEPE , para o Laboratório Farmacêutico HEBRON, para a indústria de fermentação alcoólica da Região; disponibiliza culturas padrões para testes e pesquisas realizadas pelo Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco, e para a própria UFPE e outras IES (Instituição de Ensino Superior) do país. Dá suporte ao desenvolvimento de trabalhos desenvolvidos por alunos nos níveis de Graduação e Pós-Graduação de Universidades, na forma de cessão e manutenção de culturas de interesse biotecnológico.

 

Histórico

 

A Coleção de Culturas de Microrganismos do Departamento de Antibióticos (UFPEDA) teve seu início em 1951, com culturas trazidas do México pelo Professor Oswaldo Gonçalves de Lima. O acervo inicial era de cerca de 200 linhagens, formado por eubactérias, leveduras e actinomicetos, com predominância do gênero Streptomyces. Com a Fundação do Instituto de Antibióticos, em 08 de março de 1952, a coleção foi consolidada, tendo como função principal a preservação de microrganismos produtores de antibióticos, isolados e identificados por pesquisadores do próprio Instituto e de outras instituições. Em decorrência da ampliação das áreas de pesquisa do Instituto, ao longo dos anos foram adicionadas linhagens microbianas de interesse para a indústria, para a saúde humana e animal, para a agricultura e para o meio ambiente.

A partir de publicações relacionadas ao isolamento e identificação de aproximadamente 50 linhagens de Streptomyces, em 1964, o Professor José Otamar Falcão de Morais, líder da equipe responsável pela taxonomia de culturas, foi convidado a integrar o ISP – “International Streptomyces Project”. O ISP foi um esforço cooperativo entre mais de 40 pesquisadores de 17 países, visando padronização e caracterização taxonômica de espécies de Streptomyces, sendo o Brasil o único país da América do Sul a integrar a equipe, através do pesquisador acima citado e seus colaboradores. Atualmente, a Coleção UFPEDA tem como curadora a Profa. Janete Magali de Araújo e vice-curadora, a Profa. Glícia Maria Torres Calazans.

A Coleção de Microrganismos do Departamento de Antibióticos encontra-se cadastrada no “World Federation Culture Collections -World Data Center on Microorganisms”, com o número 114, sendo suas culturas reconhecidas pela sigla UFPEDA.

 

Departamento de Antibióticos

 

O Departamento de Antibióticos - Instituto Oswaldo Gonçalves de Lima foi criado com a denominação de "Instituto de Antibióticos", pelo Conselho Universitário da então Universidade do Recife, no dia 8 de março de 1952, em atendimento à proposta encaminhada pelo professor Oswaldo Gonçalves de Lima. Por força do Decreto n.º 62.483, de 1º de abril de 1968, passou a Departamento de Antibióticos, integrado ao Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco. Em 21 de setembro de 1989, a denominação de Instituto Oswaldo Gonçalves de Lima foi acrescentada ao nome do Departamento, por proposta do professor Fernando José da Costa Aguiar, Diretor do Centro de Ciências Biológicas, na ocasião da última homenagem prestada ao emérito fundador deste Departamento.