Projetos de Pesquisa Projetos de Pesquisa

A existencialidade da memória

Descrição: Quer a concebamos como um fenômeno puramente fisiológico em sentido fisicalista redutivo ou um fenômeno mental instanciado em nosso cérebro, como uma faculdade da alma ou uma habilidade, como uma capacidade ?espiritual? ou mesmo uma função biológica, a temporalidade se encontrará sempre ligada ao conceito fundamental de memória, pois constitui o seu ser pertencer ao passado, interprete-se esse pertencimento como um obscuro sentimento de crença de existência pretérita ligada a uma imagem mental ou um traço de essência em sentido metafísico. De uma alternativa filosófica ao conceito tradicional de tempo, que remonta a Aristoteles, necessariamente resultará uma concepção alternativa de memória. E de fato, esta concepção alternativa de tempo pode ser encontrada na fenomenologia hermenêutica como o próprio cerne dessa modalidade de pensamento. O que é a memória se não pertence ao passado (Vergangenheit), mas ao ser-sido? (Gewesenheit).

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Sandro Márcio Moura de Sena - Coordenador.

 

A Genealogia da malandragem

 Descrição: Costuma-se apontar a corrupção como uma das maiores mazelas da sociedade brasileira. Geralmente, quando questionada acerca desse assunto, a opinião pública tem como alvo favorito de críticas à classe política. É curioso, no entanto, que boa parte dessas pessoas que avaliam negativamente seus representantes costuma recorrer, cotidianamente, a pequenos artifícios que burlam o costume moral e, muitas vezes, até a lei. Estamos nos referindo ao nosso jeitinho brasileiro, à malandragem e ao jogo de cintura, ?categorias? que, já incorporadas à nossa cultura, convivem lado a lado com os valores morais mais tradicionais. Levando isso em conta, podemos afirmar que, no Brasil, existe uma espécie de dualidade moral, na qual a ?moral? do jeitinho e da malandragem coexiste, paralelamente, com a ética oficial. O mais interessante é que essa dualidade não se dá de forma dicotômica, já que os mesmos indivíduos transitam entre os dois paradigmas. Dependendo das circunstâncias, eles aderem a um dos modelos e, a partir deste, agem e realizam suas apreciações ?morais?. O cidadão que cobra dos políticos o cumprimento dos preceitos da moral tradicional é o mesmo que usa o expediente do jeitinho e da malandragem. Esse caráter peculiar de nossa sociedade exige-nos alguns questionamentos: o que levou a cultura brasileira a essa ambiguidade moral? O que fez com que nossa sociedade cultivasse certa glorificação da malandragem? E mais: será que essa exaltação do tipo ?malandro? tem contribuído para o engrandecimento de nossa cultura ou para sua degeneração? Tendo em mente essas questões, o intento de nossa pesquisa é realizar um exame filosófico acerca da malandragem e do ?jeitinho brasileiro? fazendo uso do procedimento genealógico como marco teórico. O procedimento genealógico (ou genealogia) consiste numa espécie de método proposto por Nietzsche que tem por objetivo realizar o exame na procedência histórica nos valores morais e, a partir disto, avaliá-los.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (3) . , Integrantes: João Evangelista Tude de Melo Neto - Coordenador / Anne Karolyayne Santana da Silva - Integrante / Matheus Henrique Magalhães Cavalcanti - Integrante / Darisrose da Silva Macedo

 

A linguagem dos pejorativos

Descrição: Tata-se de um projeto que investiga as teorias semânticas e não semânticas sobre pejorativos.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Rogério Fabianne Saucedo Corrêa - Coordenador.

 

Acordos e jogos para a compreensao da racionalidade: desenvolvendo uma abordagem pragmática de normas e objetividade.

 

Coletivo Lógica Viva

 

CONCEPÇÕES TEÓRICAS DA CONSCIÊNCIA E O PROBLEMA DOS FENÔMENOS MENTAIS INCONSCIENTES

Descrição: A pesquisa investiga o problema relativo à possibilidade de integrar os fenômenos inconscientes em uma concepção teórica adequada dos fenômenos mentais - ou seja, o problema de determinar se fenômenos inconscientes podem ser considerados (propriamente) mentais. Nesse sentido, procurar-se-á (1) Delinear uma categorização dos fenômenos mentais que auxilie a compreender como os fenômenos inconscientes poderiam ser integrados a uma teoria da mente; (2) Discernir entre alguns sentidos (filosóficos e psicológicos) da expressão ?consciência? que se mostrem relevantes para a compreensão do devido lugar do inconsciente em uma teoria do mental; (3) Elucidar as características fundamentais de uma concepção disposicional do inconsciente, na tentativa de determinar se esse tipo de concepção consegue, de fato, dar conta de explicar as situações que parecem exigir a postulação de motivações inconscientes para a ação; e (4) Investigar as teses básicas de uma concepção psicológica do inconsciente, com o intuito de determinar se esse tipo de concepção é, de fato, capaz de fundamentar a tese de que as (supostas) motivações inconscientes de nossas ações possuem (pelo menos algumas das) características distintivas dos fenômenos mentais. A pesquisa parte da hipótese de que a concepção psicológica do inconsciente é a mais adequada, pois uma série de situações concretas que sugerem a existência de estados mentais inconscientes são melhor compreendidas seguindo a suposição de que tais estados (inconscientes) são propriamente mentais, e não meramente disposicionais.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Tarik de Athayde Prata - Coordenador.

 

Destranscendentalizando Heidegger

Descrição: A pesquisa visa mostrar que a malha conceitual utilizada pela tradição filosófica moderna ("transcendental", "transcendência", "a priori", "condição de possibilidade" etc), em especial pela tradição epistemológica kantiana e pós-kantiana, têm seu significado subvertido em termos ontológico-existenciais (indicativo-formais) no interior da fenomenologia hermenêutica heideggeriana, acarretando isso em uma completa destranscendentalização do pensamento filosófico.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) . , Integrantes: Sandro Márcio Moura de Sena - Coordenador.

 

Eternidade e Duração na Filosofia de Espinosa

 Descrição: A pesquisa tem como meta principal evidenciar de que modo a estrutura básica da filosofia da natureza de Espinosa assenta sobre parâmetros estabelecidos pela reflexão a respeito das relações entre tempo, duração e eternidade. De modo mais especifico serão trabalhados os seguintes tópicos: i. Reconstrução da teoria da temporalidade: gênese do conceito e natureza do fenômeno; ii. Análise do tempo vivido: correlação entre afetividade e duração, iii. exame da relação entre eternidade da mente e beatitude.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Integrantes: Thiago André Moura de Aquino - Coordenador.

 

Fenomenologia e Natureza

Descrição: A pesquisa tem como propósito analisar a presença da temática ?natureza? na articulação e desenvolvimento do pensamento fenomenológico, em especial nas obras de Edmund Husserl e Maurice Merleau-Ponty. A pesquisa visa principalmente elaborar uma resposta à questão geral: Qual a concepção fenomenológica da relação entre espírito e natureza? Este eixo temático geral servirá de referência para a investigação dos seguintes tópicos específicos: a. Ontologia da natureza; b. Crítica ao naturalismo, c. Problema da unidade psicofísica, d. Fenômeno da temporalidade.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) . , Integrantes: Thiago André Moura de Aquino - Coordenador.

 

Fenomenologia, Ética e o Sentido do humano em Emmanuel Levinas

Descrição: Trata-se de uma pesquisa voltada ao pensamento de Emmanuel Levinas que se debruça em especial no projeto fenomenológico que ele realiza. A intensão é analisar detidamente os textos mais significativos do autor, considerando sua crítica à tradição filosófica ocidental, em especial à ontologia, o modo como ele lida com o conceito de existência e as criticas que estabelece tanto a Kant, Hegel, Husserl e Heidegger.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (4) / Mestrado acadêmico: (4) . , Integrantes: Sandro Cozza Sayão - Coordenador., Financiador(es): Universidade Federal de Pernambuco - Bolsa., Número de produções C, T & A: 17 / Número de orientações: 1

 

Negritude sem identidade: sobre as narrativas singulares das pessoas negras

Descrição: O projeto de pesquisa Identidade e Sofrimento que desenvolvi nos últimos anos teve o propósito de sustentar que a narrativa de si pode ser compreendida como um modo de instituir uma singularidade dinâmica e plural de si mesmo. Seu foco estava na quebra da noção de identidade para fazer emergir uma compreensão de si mesmo que não fosse a sedimentação de fatos articulados em torno de uma unidade fixa e que seria capaz de nos oferecer uma identidade. O conhecimento de si nestes termos não seria estritamente cumulativo como se estivéssemos mais próximos de nos conhecer na medida em que o tempo avança em sua linearidade. Defendi que a narrativa de si estaria mais ligada a diferentes perspectivas com as quais operamos diferentes interpretações sobre a nossa história. O foco do meu projeto era avançar numa compreensão plural de si mesmo (daquele que se narra ou que relata a si mesmo) no sentido de pôr em xeque certas estruturas fixas com as quais nós fantasmaticamente nos identificamos. No presente projeto tenciono compreender se algumas experiências fenomenológicas não poderiam se impor ao um limite a minha tese inicial. Ou seja, certas narrativas de si não estariam inevitavelmente marcadas por uma perspectiva identitária? Pretendo abordar especificamente neste projeto a experiência singular de ser negro. Assim, pergunto-me se ela pode ser múltipla e variada como aquelas dos outros corpos ou certos condicionantes sociais coloniais vedam, neste caso específico, uma perspectiva radicalmente plural de si mesmo? O racismo seria um empecilho socialmente imposto ou ideologicamente imposto (conforme designação de Neusa Santos Souza, 1983) para os corpos negros lhe sendo óbice à possibilidade de terem uma narrativa plural de si mesmos para além da narrativa que se lhe foi imposta? A minha hipótese é de que a construção singular da experiência de narrar a si mesma das pessoas negras é realizada por um viés comunitário que escapa as determinações discursivas por meio das quais a branquitude institui a fantasia da identidade.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (1) . Integrantes: Érico Andrade Marques de Oliveira - Coordenador.

 

Noz Coletivo

 

O liberalismo a brasileira: quando a Casa Grande estende-se para a cidade

Descrição: Para entender as cidades como espaço de multiplicidade é necessário reconfigurar o desenho urbano para que ele contemple lugares de encontro, de trocas de experiência e de vivência de diversas formas de vida; centradas nas categorias de hospitalidade e cuidado. Certamente, o modelo liberal falha quando promove, em cidades como o Recife, uma mutilação do espaço urbano. O presente projeto tenta mostrar como o discurso liberal foi apropriado pela aristocracia em Recife para assegurar direitos individuais que lastreiam políticas urbanas atomizadas e entregues ao mercado. O liberalismo à brasileira é a extensão do poder da casa-grande, da aristocracia.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) . , Integrantes: Érico Andrade Marques de Oliveira - Coordenador., Número de produções C, T & A: 3

 

Os experimentos de pensamento na confluência entre a filosofia e a literatura - Projeto PIBIC

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . , Integrantes: Juliele Maria Sievers - Coordenador / Arquimércia Cristina da Silva - Integrante / Jamilli Araujo Rocha - Integrante.

 

Os fundamentos ontológicos da filosofia-teologia medieval

Descrição: Estudo-pesquisa dos fundamentos ontológicos que estão nas origens, natureza e formação/desenvolvimento do pensamento filosófico-teológico medieval, notadamente das relações/conflitos entre fé e razão, destacando os elementos (conceitos) que influenciaram na sua composição: suas divergências e convergências, bem como, os principais períodos ou fases com suas características e problemáticas próprias, trazendo a tona uma variedade de filosofia-teologias dentro da unidade da filosofia-teologia medieval, as quais poderão servir de base para a reflexão/ação do fazer filosofia/teologia nos dias de hoje.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. , Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (2) . , Integrantes: Marcos Roberto Nunes Costa - Coordenador / Ricardo Evangelista Brandão - Integrante / Paulo Vicente Gomes Silva Filho - Integrante / Rodrigo José de Lima - Integrante / Antônio Pereira Júnior - Integrante / Claubervan Lincow Silva - Integrante.