Voltar

Cooperação solidária

Publicado no Jornal do Commercio, no dia 20 de julho de 2019

Por Anísio Brasileiro

São conhecidos os desafios atualmente enfrentados pelas universidades públicas brasileiras, sobretudo os cortes orçamentários que ameaçam nossas infraestruturas, nossas pesquisas e a qualidade do ensino. Muito menos difundidas são as conquistas que as instituições federais de ensino e pesquisa têm alcançado nos últimos anos, que contribuem para dar aos brasileiros um projeto autônomo de desenvolvimento voltado para a redução das desigualdades e para a inclusão social. Uma dessas conquistas acaba de completar 40 anos, o Programa Capes/ Cofecub, uma cooperação iniciada em 1979 entre a França e o Brasil. Foi o primeiro programa internacional da Capes estabelecido para acelerar a formação de recursos humanos no Nordeste através do fortalecimento da pós-graduação. Os primeiros projetos do acordo foram implantados na Paraíba, em Alagoas, no Rio Grande do Norte e em Pernambuco. Na UFPE, logo no início tivemos dois projetos contemplados, nas áreas de Engenharia Eletrônica e Desenvolvimento Urbano, que resultaram em duas pós-graduações, hoje consolidadas. Em 1979, havia seis programas de pós-graduação no Nordeste. Hoje são 942 programas, com 1.311 cursos de mestrado e doutorado. Em quatro décadas, o Nordeste abriga 22% de toda a pós-graduação brasileira. Essa parceria com a França teve um papel vigoroso no período. Umas das principais características do Capes/Cofecub é a garantia da diversidade entre as áreas do conhecimento. Dos 19 projetos aprovados ainda no final da década de 1970, seis eram ligados às Ciências Humanas e Sociais, o que demonstra a importância dessas áreas para os países. Hoje, o desafio do Capes/Cofecub é valorizar as abordagens em temas interdisciplinares, além de integrar graduação e pós-graduação e fomentar parcerias com empresas, tão importantes para internacionalizar o conhecimento. A UFPE se orgulha de ter sido uma das instituições mais ativas na cooperação com a França, tendo sediado, em maio, as celebrações dos 40 anos do Capes/ Cofecub. Pessoalmente, é motivo de emoção rememorar os intercâmbios com os franceses. Lembrarei sempre do dia 5 de setembro de 1986, quando desembarquei em Paris, e também quando, cinco anos depois, retornei ao Brasil com um Doutorado em Engenharia Civil, obtido na École Nacionale des Ponts et Chaussées. Como tantos pesquisadores, espero que juntos possamos fortalecer a solidariedade entre os países em benefício do bem comum que é a Educação Pública.

Anísio Brasileiro é reitor da UFPE

Data da última modificação: 22/07/2019, 14:09