Voltar

As ciências exatas

Gilson Edmar Gonçalves e Silva é vice-reitor da UFPE
gilson.edmar@ufpe.br Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

As ciências ditas exatas, como a física, a química, a matemática e a estatística parecem, ao grande público, que vivem cada uma em um mundo sem contato com o exterior. Puro engano. O nosso cotidiano interage continuamente com os conhecimentos gerados dos laboratórios destas áreas. O papel que desempenham é fundamental no desenvolvimento das diferentes áreas do conhecimento. Além disto, os departamentos da UFPE contribuem de modo significativo na preparação de professores para o ensino fundamental e médio, indispensável a uma melhoria na qualidade de ensino, com repercussão positiva na política de educação do País.

O Departamento de Física da UFPE tem uma tradição em pesquisa de alto nível, que o coloca como uma das melhores unidades do Brasil, estando entre as de excelência no mundo científico. Criado como Instituto de Física, agregou excelentes pesquisadores, tanto os pernambucanos, como outros vindos de todos os recantos do País. O ministro de Ciência e Tecnologia, professor Sérgio Resende, é um exemplo dos pioneiros na implantação dos nossos laboratórios de física. Ao longo dos anos, o departamento se consolidou através da elevada qualidade das suas pesquisas. O curso de graduação é direcionado para licenciados, que irão atuar no ensino das nossas escolas, tão carente de profissionais desta área do conhecimento. Há alguns anos, foram implantados os cursos de pós-graduação, tanto mestrado como doutorado, com linhas de pesquisa bastante produtivas, que fizeram o curso ter sempre pontuação máxima na avaliação da Capes. O resultado das pesquisas ali realizadas tem aplicação prática em diversas áreas, como na medicina, entre outras. O magnetismo é usado por nós em equipamentos do nosso cotidiano, mesmo que não tenhamos a percepção exata da sua utilização.

O Departamento de Química Fundamental é outra área de excelência na nossa UFPE. Os seus cursos de graduação visam formar licenciados para a atividade docente e os de pós-graduação formam pesquisadores de alto nível, tanto no mestrado como no doutorado, tendo ambos excelente avaliação pela Capes. A química tem forte atuação interdisciplinar, interagindo com várias outras áreas. Entre elas, podemos citar o papel importante que desempenha em todas as etapas da produção de fármacos, tão necessários ao desenvolvimento das ciências da saúde. São várias outras interfaces que a química tem, seja em pesquisa pura, seja na aplicação prática de seus produtos, na indústria, no comércio e em outros ramos da cadeia produtiva. São inúmeras as interações com as nossas atividades da vida cotidiana. Citaremos como exemplo dois elementos fundamentais à vida e à economia do planeta, tais como a água e o petróleo. O tratamento da água e tudo o mais que possa dar melhor condição de sua utilização é assunto do cotidiano destes profissionais. As pesquisas relacionadas ao petróleo e derivados fizeram do nosso País, um dos mais avançados na utilização desta fonte energética, como também outros produtos, como o etanol, que fez do Brasil um dos países que detêm a maior experiência na sua utilização. Um outro Departamento, o da Engenharia Química do CTG, também participa destes projetos, especialmente os da água e dos combustíveis.

A estatística é uma área carente de profissionais e pesquisadores e o nosso departamento vem desempenhando este papel formador, com grande competência. A sua aplicação se dá em todos os setores, acadêmicos e profissionais. Não podemos prescindir da estatística num planejamento e numa avaliação, sendo, portanto, indutor de excelência dos resultados obtidos.

A matemática é a base para o desenvolvimento de todas as ciências. Entretanto, é rejeitada por muito dos futuros e atuais profissionais de outras áreas. É enganoso pensar assim, pois a cada momento precisamos utilizar princípios matemáticos para as nossas atividades. O Departamento de Matemática da UFPE, através das suas pesquisas e dos seus cursos de graduação e pós-graduação, leva ensinamentos a todos os que dele necessitam e exerce também um papel de difusor destes conceitos. Tem ainda como missão a formação de docentes para o ensino médio e de pesquisadores competentes para geração de novos conhecimentos.

Atualmente a nanotecnologia vem se desenvolvendo como uma nova técnica de pesquisa e se destacando como uma indispensável ferramenta, usada em várias aplicações práticas. A nanotecnologia tem sua base científica oriunda das ciências exatas, sendo a grande esperança no futuro das pesquisas pura e aplicada.

Publicado na edição do dia 28 de outubro na seção Artigos do Jornal do Commercio
Data da última modificação: 27/10/2016, 14:55