Notícias Notícias

Voltar

Livro “Embarcadiços do Encantamento: trabalho sinônimo de arte, estética e liberdade na pesca marítima” é lançado no dia 23

A autoria é do professor Cristiano Wellington Noberto Ramalho, do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS)

O livro “Embarcadiços do Encantamento: trabalho sinônimo de arte, estética e liberdade na pesca marítima” (Campinas-SP: Ceres-Unicamp; São Cristóvão-SE: Editora da UFS) será lançado, no dia 23 deste mês, das 9h às 12h, na Sala Calouste Gulbenkian, na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), bairro de Casa Forte, no Recife. A obra tem autoria do professor Cristiano Wellington Noberto Ramalho, do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da UFPE.

Na ocasião, também será realizada a mesa-redonda “Arte, Trabalho e Pesca Artesanal”, com participação de Ligia Albuquerque de Melo (Cedist/Fundaj), professor Paulo Marcondes Ferreira Soares (UFPE), professor Angelo Brás Fernandes Callou (UFRPE) e professora Lourdes Gonçalves Furtado (MPEG-PA). O evento faz parte do Ciclo de Debates “De frente pra Costa”.

Além de professor da UFPE, Cristiano Wellington Noberto Ramalho é pesquisador do CNPq (bolsista PQ 2) e um dos estudiosos mais importantes da Socioantropologia Marítima e Pesqueira do Brasil. Integra a Câmara de Humanas da Facepe.

Resumo do livro:

No Brasil, mais de 1 milhão de pessoas vivem do trabalho da pesca artesanal, a partir de um sofisticado conhecimento que desenvolveram sobre as dinâmicas ambientais existentes em vários territórios aquáticos (mar, rios, estuários, lagos, lagoas, barragens) ao longo dos séculos, em muitos casos. Portanto, muitas comunidades de pescadores e pescadoras podem ser consideradas tradicionais. Em Pernambuco, apenas na região litorânea, cerca de 30 mil homens e mulheres retiram seus sustentos (e de suas famílias) dos pescados, produzindo um singular e rico modo de vida.

Partindo das representações, sentimentos e práticas societárias dos pescadores artesanais da Praia de Suape, no município do Cabo de Santo Agostinho, no litoral sul do Estado de Pernambuco, o livro busca compreender o que levou esses homens, que pescam embarcados em alto-mar, a definirem o seu trabalho pesqueiro enquanto sinônimo de arte, beleza e liberdade.

Do ponto de vista metodológico, além da pesquisa histórica (relatos de viajantes, por exemplo), a etnográfica (entrevistas em profundidade com 13 pescadores – registros em áudio – de diversas faixas etárias, a observação direta do dia a dia desses embarcadiços e os inúmeros colóquios efetivados, com eles, dentro dos barcos e no continente) fundamentou o trabalho de campo, que ocorreu de dezembro de 2004 a dezembro de 2006 (antes das instalações da Refinaria Abreu e Lima e do Estaleiro Atlântico Sul). 

A preocupação foi de relacionar elementos diacrônicos (históricos) e sincrônicos, bem como as dinâmicas sociais locais às universais. No geral, o livro mostra que a arte e o belo são aspectos constitutivos e constituídos do trabalho pesqueiro desenvolvido artesanalmente, assumindo valores de mundo, mediações e sendo objetivações do existir marítimo desses pescadores, cujo fazer também passa por uma singular educação corporal, do sentir dos sentidos. O belo e a arte, além de forjarem o sentir humano, mostram-se íntimos e inseparáveis do trabalho marítimo tido, segundo os pescadores, como liberto, livre, compondo-o, enfeitiçando-o de subjetividade, de criação, de inventividade, de insurgências cotidianas frente aos valores desumanizados que o capital busca impor (e impõem em várias medidas) sobre o mundo produtivo, sobre a vida dos homens do mar de Suape, mas que, na época estudada, não tinha sido capaz de transformar o trabalho da pesca em agonia, prisão e/ou algo sem beleza para esses embarcadiços. 

Enfim, este livro é o último registro acadêmico dos pescadores artesanais do alto-mar antes dos impactos socioambientais produzidos pelas grandes obras públicas (a exemplo da Refinaria Abreu e Lima) na praia de Suape, em Pernambuco.

Mais informações
Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)
(81) 3073.6494

Data da última modificação: 21/11/2018, 15:02

Contatos Contatos

Diretoria
(81) 2126.8260 / 8261
Manutenção
(81) 2126-8265
Biblioteca
(81) 2126.8263

Equipe Equipe

Diretora
Maria da Conceição Lafayette de Almeida
Vice-diretor
Ricardo Pinto de Medeiros
Coordenadora Administrativa
Fabiana Bernardino de Oliveira Guedes
(81) 2126-8260
Coordenador de Comunicação e Planejamento
Júlio Cesar Timoteo de Souza
(81) 2126-8261
Coordenadora de Infraestrutura, Finanças e Compras
Renata Barros de Lima
(81) 2126-8261
Gerência de Infraestrurura
Joel Eugênio do Nascimento
(81) 2126-8265
Gerência de Finanças e Compras
Fernando Antônio Araújo Cavalcanti
(81) 2126-7348

Links Links