Notícias Notícias

Voltar

Programa de Pós-Graduação em Geociências tem defesa de dissertação hoje (30), às 13h

Implicação à Exploração de Skarns Mineralizados em Au-Bi é o tema da dissertação

Nesta sexta-feira (31), a partir das 13h na Sala de Projeções do Departamento de Geologia, o Programa de Pós-Graduação em Geociências terá a defesa da dissertação de mestrado “Integração de Dados Geológicos, Geofísicos e de Espectroscopia de Refletância na Área da Mina Bonfim (Rn): Implicação à Exploração de Skarns Mineralizados em Au-Bi”. A pesquisa foi desenvolvida por Nayara Moreira de Mesquita, orientada pela professora Vanessa Biondo Ribeiro com coorientação dos professores João Adauto de Souza Neto e Thais Andressa Carrino.

A banca examinadora será composta pelos professores João Adauto de Souza Neto (coorientador), Gorki Mariano (PPGEOC/UFPE), Germano Melo Junior (UFRN), Lauro Cézar Montefalco de Lira Santos (PPGEOC/UFPE) e Marcelo Reis Rodrigues da Silva (UFPE).

Resumo
A Faixa Seridó abriga várias ocorrências de skarns mineralizados na Província Borborema, nordeste do Brasil. A área estudada, nas proximidades da Mina Bonfim, Lajes - RN, está inserida no Grupo Seridó, uma sequência metassedimentar neoproterozoica. O skarn polimetálico de W-Mo-Au-Bi-Te do Depósito Bonfim ocorre dentro de lentes de mármores e xistos da Formação Jucurutu ou no contato entre eles. Dados aeromagnetométricos, aerogamaespectrométricos e de espectroscopia de refletância foram utilizados para a caracterização de áreas de potencial econômico na região. A área de ocorrência dos skarns polimetálicos do Depósito Bonfim está inserida em um domínio de relevo magnético mediano, delimitado em mapa de anomalia magnética residual com filtro de amplitude do sinal analítico. A área também corresponde a uma região de anomalia positiva nos mapas de potássio anômalo e de fator F, os quais delimitam prováveis áreas de alteração hidrotermal. Zonas potenciais para a prospecção de Au-Bi-W foram selecionadas a partir da fusão de imagens de primeira derivada vertical, do mapa de potássio anômalo e de ocorrências de Au e W. Janelamento do mapa do sinal analítico apresenta quatro anomalias pequenas nas imediações da Mina Bonfim, similares à associada aos skarns polimetálicos da área da mina. As análises espectrais foram efetuadas em amostras do testemunho de sondagem SEB-241 (181m de profundidade) utilizando espectrorradiômetro de alta resolução ASD-FieldSpec3. As zonas de skarn apresentam feições espectrais que sugerem a presença de diopsídio, actinolita/tremolita, clinozoisita-zoisita, mica branca/sericita e prehnita. Prehnita e epidoto constituem as principais fases minerais calcissilicáticas associadas à mineralização tardia de Au-Bi-Te. A prehnita tem feição de absorção diagnóstica em 1478nm (OH) e o índice de prehnita, proposto nesse estudo de caso (razão de reflectância em 1465nm por reflectância em 1478nm), permitiu destacar seções ricas deste mineral ao longo do testemunho de sondagem. Dados de geoquímica do Au mostram uma forte correlação com a presença de feições de absorção da prehnita a partir de seu índice. Os resultados atestam que a assinatura espectral aparece como um indicador eficiente e confiável para a descoberta de áreas mineralizadas em ouro, geologicamente similares àquelas na área do Depósito Bonfim.

Mais informações
Programa de Pós-Graduação em Geociências (PPGEOC)
(81) 2126.8726 ou 2126.8902

Data da última modificação: 31/05/2019, 11:35

Contato Contato

Secretaria

UFPE - Universidade Federal de Pernambuco CTG - Centro de Tecnologia e Geociências / Escola de Engenharia de Pernambuco Rua Av. da Arquitetura, s/nº CEP - 50740-550

(81) 2126 8200 / 2126 8700
Para alunos - formulário

Localização Localização