Voltar

UFPE ganha conceito 4 no Índice Geral de Cursos (IGC) 2017 do Ministério da Educação

Conceito Preliminar de Curso médio dos cursos avaliados subiu para 3,67 em 2017 – o conceito médio havia sido de 3,65 em 2014

A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) ficou com conceito 4 no Índice Geral de Cursos (IGC) segundo dados divulgados ontem (18) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) do Ministério da Educação (MEC). Com pontuação de 3,7658, a Universidade foi a mais bem conceituada dentre as 84 instituições pernambucanas avaliadas. Quanto ao Conceito Preliminar de Curso (CPC), foram avaliados 49 cursos da UFPE na edição 2017, dos quais dois ficaram com conceito 5; 30 ficaram com conceito 4; 16 ficaram com conceito 3, e apenas um ficou com conceito 2. O CPC médio dos cursos avaliados subiu para 3,67 em 2017 – o conceito médio havia sido de 3,65 em 2014.

Engenharia de Alimentos e Engenharia de Controle e Automação obtiveram nota 5. Ficaram com nota 4, no Recife, os cursos de Artes Visuais (licenciatura), Ciência da Computação (bacharelado), Ciências Biológicas (bacharelado), Ciências Biológicas (licenciatura), Ciências Sociais (bacharelado), Engenharia Biomédica, Engenharia da Computação, Engenharia de Energia, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica – Eletrotécnica, Engenharia Elétrica – Eletrônica, Engenharia Química, Filosofia (bacharelado), Física (bacharelado), Física (licenciatura), Geografia (bacharelado), História (licenciatura), História (bacharelado), Letras – Português (licenciatura) – EAD, Letras – Português (licenciatura), Matemática (licenciatura), Pedagogia (licenciatura), Química (bacharelado), Química (licenciatura) e Sistemas de Informação; e em Caruaru,  Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Física (licenciatura), Matemática (licenciatura) e Pedagogia (licenciatura).

Tiveram nota 3 as graduações em Arquitetura e Urbanismo, Ciências Biológicas/Ciências Ambientais, Ciências Sociais (licenciatura), Educação Física (licenciatura), Engenharia Civil, Engenharia de Materiais, Engenharia Mecânica, Engenharia Naval, Filosofia (licenciatura), Geografia (licenciatura), Letras – Inglês, Matemática (licenciatura) – EAD e Música (licenciatura), no Recife; e em Ciências Biológicas (licenciatura), Educação Física (licenciatura) e Química (licenciatura). O curso de Matemática (bacharelado) recebeu nota 2 no CPC.

Foram avaliados 10.210 cursos presenciais e EAD com conceito CPC 2017, dos quais 5.306 obtiveram conceito 3 (52,0%); 3.074 tiraram conceito 4 (36,3%); 932, conceito 2 (9,1%); 231, conceito 5 (2,3%); e 37 obtiveram conceito 1 (0,4%). Em relação às instituições de Ensino Superior, a avaliação atingiu 2.083 organizações acadêmicas, sendo 195 universidades, 208 centros universitários, 40 institutos federais e cefets e 1.640 faculdades de todo o país. As universidades ofereceram 5.782 cursos avaliados em 2017, as faculdades, 2.416 cursos; os centros universitários, 1.442 cursos; e os institutos federais e os cefets, 570 cursos.

AVALIAÇÕES - De acordo com o Inep, o Conceito Preliminar de Curso (CPC) é composto de oito componentes, agrupados em quatro dimensões que se destinam a avaliar a qualidade dos cursos de graduação. Para que um curso tenha o CPC calculado, é preciso que ele possua no mínimo dois estudantes concluintes participantes no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). Os insumos usados nos cálculos são: desempenho dos estudantes no Enade, valor agregado pelo curso ao desenvolvimento dos estudantes concluintes, perfil do corpo docente (regime de trabalho e titulação) e percepção discente sobre as condições do processo formativo.

Já para que uma instituição de Ensino Superior (IES) tenha o Índice Geral de Cursos (IGC) calculado é preciso que ela possua ao menos um curso com estudantes concluintes inscritos no Enade no triênio de referência. É preciso ainda que tenha sido possível calcular o CPC destes cursos. O IGC é calculado anualmente e leva em conta os seguintes aspectos: média dos CPC do último triênio, relativos aos cursos avaliados da instituição; média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu atribuídos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) na última avaliação trienal disponível; e distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino, graduação ou pós-graduação stricto sensu.

Data da última modificação: 20/12/2018, 12:17