Voltar

Professor Emérito da UFPE, Amaro Lins soma mais este título ao seu currículo acadêmico e profissional

Auditório da Reitoria ficou lotado com familiares, docentes e técnicos administrativos que vieram prestigiar o homenageado

Foto: Passarinho

Amaro Lins emocionou-se com a homenagem recebida

Ex-reitor da UFPE, ex-presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), ex-secretário nacional de Educação Superior do MEC e, desde ontem, além de outros reconhecimentos, o engenheiro Amaro Henrique Pessoa Lins é professor emérito da UFPE. Ao receber o título, outorgado em solenidade que lotou o auditório da Reitoria, o homenageado foi acolhido pelo discurso do amigo-irmão, também professor da Universidade, Fernando Jucá, que discorreu sobre seu “currículo denso por onde perpassam sempre temas ligados ao apelo social da Engenharia, com habitações de baixo custo e materiais alternativos”. A cerimônia ocorreu no Auditório Reitor João Alfredo, na Reitoria, que ficou lotado com familiares, docentes e técnicos administrativos da Universidade, que vieram prestigiar o homenageado. Entre as autoridades, estiveram os reitores da Unicap, padre Pedro Rubens, e da UFRPE, Maria José de Sena.

Na apresentação do novo professor emérito, Jucá também destacou passagens importantes do reitorado de Amaro Lins à frente da UFPE (2003-2011) “quando ele procurou estabelecer laços fortes com os governos estadual e municipal, a fim de garantir impulso ao desenvolvimento regional”. E completou: “O caminho que Amaro seguiu foi resultado de escolhas; ele rejeitou propostas de trabalho na iniciativa privada para focar na nossa instituição. Ele merece esse título e muito mais do que isso.”

Para o reitor Anísio Brasileiro, autor da indicação do título a Amaro Lins, três aspectos envolvem a vida e passagem do homenageado na Universidade, como a democracia, a educação e o humanismo. Segundo Anísio, na gestão da Reitoria, Amaro sempre manifestou apreço e defesa por esses valores. “Como pró-reitor da sua gestão, presenciei momentos em que Amaro demonstrou ser um democrata, ao saber ouvir a comunidade acadêmica; teve visão para aproveitar a oportunidade de interiorizar a ampliar o acesso ensino superior público e, manifestou profundo pesar diante da perda de um dos nossos estudantes, em situação trágica como ocorreu com Alcides (Nascimento Lins)”, afirmou.

LULA – Em agradecimento, o mais novo professor emérito da UFPE fez questão de destacar o papel importância que seus professores do Engenharia tiveram na sua formação pessoal e profissional, e a importância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que exerceu o mandato presidencial quase que concomitantemente ao seu reitorado. “Sempre que acompanhava cerimônias de outorga de títulos a professores que se dedicavam à Universidade, pensava que era assim que eu gostaria de ser reconhecido; e hoje cá estou eu”, afirmou. Quanto a Lula, Amaro destacou que “ele nunca teve a oportunidade de frequentar uma Universidade e decidiu que outros não passariam o que ele passou. É preciso reconhecer que por conta dessa visão foram criadas 23 novas universidades públicas, 123 novos campi”, apontou.

Ao encerrar o discurso, Amaro dirigiu-se aos presentes e conclamou: “Não podemos retroceder; estamos muito longe ainda das nações desenvolvidas e nossa preocupação deve ser dirigida contra o descaso com as universidades. Precisamos tomar consciência porque cabe a nós defender a nossa Universidade”. E, repetindo Marilena Chauí, - “a quem recorro com frequência” - o professor Amaro defendeu o conceito da universidade como “uma instituição social e como tal exprime de maneira determinada a estrutura e o modo de funcionamento da sociedade como um todo. (...) Essa relação interna ou expressiva entre universidade e sociedade é o que explica, aliás, o fato de que, desde seu surgimento, a universidade pública sempre foi uma instituição social, isto é, uma ação social, uma prática social fundada no reconhecimento público de sua legitimidade e de suas atribuições, num princípio de diferenciação, que lhe confere autonomia perante outras instituições sociais, e estruturada por ordenamentos, regras, normas e valores de reconhecimento e legitimidade internos a ela”.

CURRÍCULO – Ele foi reitor da Universidade de 2003 a 2011 (quando foram implantados os campi de Vitória e de Caruaru), tendo sido presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), no período de 2008-2009. Ao término do seu segundo mandato como reitor, ele assumiu a Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC), de 2012 a 2013.

Amaro Henrique Pessoa Lins possui graduação em Engenharia Civil pela UFPE (1977), mestrado em Engenharia Civil pela UFRJ (1980), doutorado em Engenharia Civil pela UFRJ com período sanduíche na University of Oxford/Inglaterra (1991) e pós-doutorado em Engenharia Civil pela University of Colorado/Estados Unidos (2002). Ingressou como docente da UFPE, em 1978, tendo se aposentado em 2017.

Em sua trajetória, após a conclusão do mestrado, em 1980, engajou-se em atividades de ensino de graduação e serviços técnicos na área de Geotecnia da Engenharia Civil por meio do Laboratório de Solos e Instrumentação da UFPE, de 1980 a 1987. Neste período, foi consultor e membro da coordenação técnica de diversos estudos de importantes problemas práticos da Engenharia Geotécnica no Recife e na Região Nordeste, a exemplo do projeto, instalação e acompanhamento de instrumentação em diversas barragens; e do estudo de utilização de materiais não convencionais na construção de barragens no Nordeste. Participou ainda de estudos sobre a carta geotécnica de Olinda (Grande Recife).

As pesquisas sobre deslizamentos dos morros do Recife permitiram desenvolver soluções de prevenção e correção de acidentes que reduziram perdas de vidas. Os estudos sobre solo-cimento criaram uma nova cultura de emprego desses materiais em habitações populares. E os estudos sobre solos não saturados ajudaram a desvendar aspectos desconhecidos dos solos das encostas em regiões semiáridas, em obras de aterros etc.

Após a realização do doutorado, no período de 1987 a 1991, participou ativamente da criação do mestrado em Engenharia Civil da UFPE, na área de Geotecnia, tendo sido vice-coordenador do curso, de 1992 a 1994, e coordenador, no período de 1994 a 1996.

Foi diretor do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG) durante dois mandatos, de 1996 a 2003. Durante a sua gestão, foram implementadas, em parceria com a Finep, diversas ações do Programa de Desenvolvimento das Engenharias (Prodenge), mediante seu subprograma Reenge, voltado às inovações metodológicas no ensino de Engenharia.

INTERIORIZAÇÃO – Amaro Lins foi reitor da UFPE por dois mandatos, no período de 2003 a 2011. Durante o seu reitorado, foi promovida a interiorização da UFPE com a criação do Centro Acadêmico de Vitória (CAV), no município de Vitória de Santo Antão, e do Centro Acadêmico do Agreste (CAA), em Caruaru. Além disso, foram promovidas mudanças gerenciais estratégicas na Universidade como a criação da Pró-Reitoria de Gestão Administrativa (Progest).

Em sua gestão, o Campus Recife foi ampliado, com 18 novos cursos e acréscimo de mais de 1.400 vagas, por meio do Programa Reuni do Governo Federal. Já em seu segundo mandato, inaugurou, no Recife, o novo Restaurante Universitário (RU). Também foi responsável por importantes parcerias de pesquisa entre UFPE e a Petrobras.

Ainda em seu reitorado, foi presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior – Andifes (2008-2009). Ao término do seu segundo mandato como reitor, ele assumiu a Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC), de 2012 a 2013. Foi também coordenador-geral da Representação Nordeste do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Confira o álbum de fotos da cerimônia, de autoria do fotógrafo Passarinho, da Ascom UFPE.

 

Data da última modificação: 11/10/2019, 11:55