Voltar

Núcleo de Pesquisas em Etnicidades da UFPE promove seminário on-line sobre arte e cultura indígena amanhã (30)

Evento será realizado de forma on-line, com transmissão na sala virtual do Nepe

A partir das 16h de amanhã (30) acontecerá o 4º seminário da série “Experiências Etnográficas nas Américas”, evento promovido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Etnicidades (Nepe) da UFPE. Com o tema “Etnografias dos Museus e das Artes”, o encontro trará uma importante discussão sobre arte e cultura produzida por povos indígenas com mediação do professor Renato Athias, membro do Departamento de Antropologia da Universidade. Devido à pandemia do novo coronavírus, o seminário será realizado de forma on-line, com transmissão na sala virtual do Nepe.  

O encontro contará com palestras dos pesquisadores Nilvânia Amorim, Juliana Ferreira e Ronaldo Siqueira. A primeira trará o estudo “Uma pesquisa entre índios e museus tecida por fotos, miçangas, esteiras e brejos”, no qual abordará dois processos de pesquisas realizados junto ao povo Canela-Rankokamekrá do Maranhão, que foram mediados por diferentes estratégias metodológicas, para refletir sobre a noção de tempo e o papel da escrita na pesquisa antropológica. Nilvânia Amorim é antropóloga, graduada em Ciências Sociais/licenciatura pela UFPE, onde também obteve mestrado e doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia. Atualmente, é professora da Universidade Federal do Amazonas, no Instituto de Natureza e Cultura e membro do Núcleo de Pesquisa sobre Etnicidade da UFPE (NEPE) e do Laboratório de Etnologia do INC/UFAM (Labet).

Juliana Ferreira e Ronaldo Siqueira unem-se para apresentar a palestra “(Etno)grafismos Kapinawá: (r)existências e significações no Vale do Catimbau”. O trabalho relata uma imersão gráfica nos sítios rupestres do Vale do Catimbau (PE). Um mapeamento dos símbolos e assimilações subjetivas desperta ao observar a arte rupestre como o dispositivo ancestral, em interlocução com a cultura Kapinawá. A investigação alia-se a um grupo de sujeitos da etnia para o reconhecimento e produção atualizada em uma retomada aos códigos ancestrais.

Juliana Ferreira é designer gráfica pela UFPE com especialização em Teorias da Comunicação e da Imagem pela UFC (2012) e mestrado em Design, Tecnologia e Cultura pela Universidade Federal de Pernambuco (2019). Ronaldo Siqueira é indígena do povo Kapinawá (Pernambuco), onde além de professor de arte indígena foi idealizador do museu indígena local, tema ao qual tem se dedicado ao longo dos últimos dez anos. Nesse percurso, cursou a especialização em Arqueologia Social Inclusiva pela Urca e hoje integra a Rede Indígena de Memória e Museologia Social.

Mais informações
secretaria.nepe@gmail.com

Data da última modificação: 29/10/2020, 15:16