Voltar

MDU promove defesa de tese na próxima sexta-feira (13)

Trabalho de Ana Luisa Oliveira Rolim foi orientado pelo professor Luiz Amorim

O Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU) promove a defesa da tese “Experiência Espacial na Galeria Progressiva: Morfologia Aplicada no Entendimento das Relações entre Visitantes e Espaços Expositivos Sequenciados”, de autoria de Ana Luisa Oliveira Rolim, em que ela apresenta uma importante contribuição para os estudos científicos nos campos da Arquitetura, Museologia e Neurociência. A defesa será na sexta-feira (13), às 14h30, no miniauditório 2, do Centro de Artes e Comunicação (CAC).

A banca examinadora será formada pelos professores Luiz Amorim (orientador), Fernando Diniz (MDU/UFPE), Cristiano Borba (MDU/UFPE); Maria de Jesus de Britto Leite (MDU/UFPE), Cristiana Griz (UFPE) e Edja Trigueiro (UFRN).

Resumo

A pesquisa é ancorada na teoria da sintaxe espacial - SE (Hillier e Hanson, 1984; Hillier, 1996; Hanson, 1998) com o objetivo de aferir em que medida o tipo de arranjo de espaço expositivo com disposição sequencial dos ambientes, denominado “galeria progressiva” (Bennet, 1995; Sutton, 2000), interfere no comportamento espacial de visitantes. Para tanto, além de recursos da SE, propõe-se sua interface com a neurociência, especificamente quanto à função cognitiva da atenção em sujeitos. Três temas chave circundam a abordagem: relação entre arranjo espacial em galerias sequenciais e os padrões de exploração de visitantes, a inteligibilidade do leiaute e o funcionamento do museu enquanto espaço social. Centrando-se na galeria progressiva (GP), modo de organização espacial sedimentado no século XIX, o recorte empírico adota como estratégias principais a contextualização histórica, a análise morfológica e experimentações com modelos de GP, organizando-se nos seguintes procedimentos: enquadramento da GP na tradição da produção de museus sobretudo nos séculos XVIII e XIX; aferições sintáticas de configurações hipotéticas reduzidas, exemplares de museus do referido período e de dois casos de GP moderna reconhecidos na literatura, o Solomon R. Guggenheim Museum (1943-1959), projetado por Frank Lloyd Wright e o Museu do Crescimento Ilimitado (1939), por Le Corbusier e, finalmente, aferição e análise sintática de 54 modelos hipotéticos de GP e da medida de atenção de foco capturada em dez sujeitos enquanto experienciam algumas destas variações ambientadas virtualmente.

Mais informações
Ana Luisa Oliveira Rolim 

analuisanyc@gmail.com

Data da última modificação: 10/03/2020, 12:17