Voltar

Lika-UFPE realiza ações de enfrentamento ao novo coronavírus

Entre as ações estão o auxílio na realização de exames para detecção da doença (Covid-19) e o desenvolvimento de estudos epidemiológicos

O Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (Lika) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) une-se aos gestores públicos no enfrentamento ao novo coronavírus. As principais frentes de atuação do laboratório incluem o auxílio na realização de exames para detecção da doença (Covid-19), com início na próxima semana, além do desenvolvimento de estudos epidemiológicos, integração de plataformas de vigilância bioepidemiológica hiperespectral (satélites, drones e outros sensores) e atividades de telemedicina para monitoramento de pessoas infectadas, trabalhos em andamento desde a semana passada. 

Na próxima semana, começam as atividades para o auxílio nos exames moleculares, que detectam o novo coronavírus, com uso de um sistema robótico. Segundo o diretor do Lika, professor José Luiz de Lima Filho, “o uso dos robôs garante segurança, rapidez e padronização das extrações”. Este trabalho será realizado em associação com o Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE) e a empresa Genomika.

Nesta primeira etapa, já foram adquiridas 1.800 reações para extração do material viral. Entretanto, devido à grande demanda mundial, ainda não se sabe o número exato de kits a serem recebidos neste momento. Este primeiro lote de kits foi adquirido com a ajuda do Ministério Público Federal do Trabalho e com recursos próprios do Lika.

A formação da rede permitirá a identificação mais rápida dos casos positivos de coronavírus de forma a isolar pacientes infectados. Será possível realizar até 600 testes por dia, a depender da quantidade de insumos disponíveis na ocasião. Segundo o professor José Luiz de Lima Filho, a orientação básica sobre quem será testado virá das autoridades sanitárias do Estado de Pernambuco.

No campo da pesquisa epidemiológica, o Lika já está atuando em uma plataforma multicamada em parceria com o Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco (IRRD) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). A coordenação das ações do IRRD é de Jones Albuquerque, pesquisador do Lika e professor do Departamento de Estatística e Informática da UFRPE, e de Hernande Pereira da Silva, professor de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto da UFRPE e do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).

Entre as camadas propostas, e em parceria com o consórcio Colab-Epitrack, há a plataforma Brasil sem Corona, na qual, a partir de um questionário detalhado, são gerados mapas de calor sobre risco da Covid-19. “Estes dados foram cedidos pelo consórcio e estão sendo integrados à plataforma do IRRD. Os gestores sanitários do Estado de Pernambuco e da cidade do Recife recebem relatórios consolidados pela plataforma do IRRD em seus informes diários”, explica o professor José Luiz de Lima Filho. 

Diariamente, os pesquisadores do IRRD coletam dados públicos para verificar o andamento e o mapeamento dos casos do novo coronavírus. Eles utilizam modelos matemáticos e espectrais, integrando os dados com o georreferenciamento e sensoriamento remoto por drones e satélites. “Estamos auxiliando os secretários de Saúde a tomar decisões através do mapeamento de casos. Na próxima semana, estaremos em tempo quase real, ou seja, os resultados irão direto para a plataforma de dados, que incluirá também os dados referentes aos testes moleculares realizados”, afirma o diretor do Lika.

TELEMEDICINA – Outra ação em andamento centra-se no uso da telemedicina para orientar o monitoramento de pacientes que estão em isolamento domiciliar e que possuem a infecção. A ideia é desenvolver sensores para uso em rede e drones. Esse trabalho tem participação dos cursos de Engenharia da UFPE, do Centro de Informática (CIn) da UFPE e de pesquisadores da UFRPE, além da ONG Círculo do Coração, que é presidida pela pesquisadora do Lika Sandra Mattos. 

Além disso, a empresa parceira eLife lançou um número de WhatsApp (+55 11 94578.8834) para atendimento remoto feito por médicos voluntários para o público em geral sobre a Covid-19. De acordo com o presidente da empresa, Jairson Vitorino, esse canal tem maior alcance na população de baixa renda. Tudo isso foi doado ao Lika em regime de parceria para a integração dos dados de forma transparente. A Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco e a Secretaria de Saúde do Recife também são parceiras da equipe.

“É muito importante termos no Lika-UFPE e IRRD-UFRPE uma estrutura capaz de atuar diretamente com os gestores públicos no combate a epidemias. Além disso, a participação dos alunos, pós-doutorandos e pesquisadores é essencial na formação de novos profissionais multidisciplinares. Na verdade, o projeto que o Lika está desenvolvendo é muito mais do que um projeto de pesquisa. É a união entre universidades nacionais e internacionais, como o MIT [Massachusetts Institute of Technology, nos Estados Unidos] e UCL [University College London, na Inglaterra], empresas, como a Canon-Medical e Genomika, ONGs, como o Círculo do Coração, uma articulação fantástica do Ministério Público Federal e Ministério Público do Trabalho, CESAR e Porto Digital,  além dos governos de Pernambuco e do Recife, com suas secretarias, para uma ação conjunta no enfrentamento à Covid-19 no curto, médio e longo prazos”, finaliza José Luiz de Lima Filho. 

Plataforma multicamada IRRD-UFRPE / Lika-UFPE e suas frentes de atuação

Mais informações
Professor José Luiz de Lima Filho

joseluiz60@gmail.com

Data da última modificação: 03/04/2020, 17:39