Voltar

HC participa de reunião promovida pela SES para discutir estratégias e fluxos de possíveis casos suspeitos de coronavírus

Até o momento, Pernambuco não possui nenhuma notificação de caso suspeito de coronavírus

Foto: Miva Filho/SES-PE

Superintendente do HC esteve em reunião que definiu protocolos de atendimento

Com informações da assessoria da SES

A superintendente do Hospital das Clínicas da UFPE, Sylvia Lemos Hinrichsen, participou, ontem (30), de reunião promovida pela Secretaria Estadual de Saúde para discutir as estratégias de possíveis casos suspeitos de coronavírus no Estado. Na ocasião, o secretário estadual de saúde, André Longo, e demais participantes traçaram os protocolos e fluxo de atendimentos nas unidades de referência. Até o momento, Pernambuco não possui nenhuma notificação de caso suspeito de coronavírus.

A reunião contou ainda com a presença do presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Pernambuco (Cosems-PE) Orlando Jorge Pereira; do secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia; e de representantes da Anvisa, Apevisa,do Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE), Instituto Aggeu Magalhães/Fiocruz-PE, Sindhospe, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e técnicos da SES-PE e dos hospitais Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), Correia Picanço, Português e Imip.

SUSPEITA – De acordo com as recomendações do Ministério da Saúde, são considerados casos suspeitos de coronavírus: pessoas com febre e, pelo menos, um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) e histórico de viagem para área com transmissão da doença (China) ou histórico de contato próximo a caso suspeito de coronavírus, sempre nos últimos 14 dias antes do aparecimento dos sinais ou sintomas. 

Para quem teve contato com paciente positivo laboratorialmente nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintoma, a sintomatologia para notificação pode ser febre ou algum outro sinal respiratório.

Assim que for levantada a suspeita para o coronavírus, recomenda-se que o paciente passe a utilizar máscara cirúrgica até ser encaminhado, se necessário, para a unidade de referência, onde deve ser colocado em isolamento. Os profissionais que tiverem circulação pelo isolamento também devem utilizar os EPIs necessários para evitar contaminação. 

Os pacientes serão tratados de acordo com a sintomatologia apresentada, já que não existe um medicamento específico para a enfermidade. Além disso, será realizada a coleta para os exames laboratoriais, que serão encaminhados ao Lacen-PE e, em seguida, para a referência nacional para esse tipo de teste (Fiocruz do Rio de Janeiro).

DOENÇA – Coronavírus é um vírus que tem causado doença respiratória recentemente identificada na China. Coronavírus são uma grande família viral, conhecida desde meados de 1960, cujos vírus causam infecções respiratórias em serem humanos e animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderadas, semelhantes a um resfriado comum.

Alguns coronavírus, no entanto, podem causar casos graves com impacto importante na saúde pública como o coronavírus SARS-CoV, identificada em 2002, e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV), identificada em 2012.

TRATAMENTO – Não há nenhum medicamento específico para conter o coronavírus. O tratamento indicado inclui repouso e ingestão de líquidos, além de medidas para aliviar os sintomas, como analgésicos e antitérmicos. Nos casos de maior gravidade com pneumonia e insuficiência respiratória, suplemento de oxigênio e mesmo ventilação mecânica podem ser necessários.

PREVENÇÃO – As formas de prevenção ao coronavírus são as mesmas recomendadas para a influenza: lavar as mãos frequentemente; utilizar lenço descartável ao tossir ou espirrar, cobrindo nariz e boca; evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos e copos ou garrafas; manter os ambientes bem ventilados; e evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de infecção respiratória.
 

Data da última modificação: 31/01/2020, 12:43