Voltar

Em Nome da América, filme de autoria de professor da UFPE, será exibido amanhã no Cinema São Luiz

Interesses dos EUA no golpe militar de 1964 no Brasil, na Guerra do Vietnã e na infiltração da CIA na América Latina são abordados no filme

O filme “Em Nome da América” , dirigido pelo cineasta Fernando Weller, professor do curso de Cinema e Audiovisual da UFPE, será exibido amanhã (8), às 19h15, no Cinema São Luiz, em sessão especial, como parte da programação oficial do X Janela Internacional de Cinema do Recife. Logo após a exibição, haverá debate com a presença do realizador.

A película ganhou, no dia 1º deste mês, o Prêmio Petrobras de melhor documentário brasileiro na 41ª edição da Mostra SP. A película, que revela o medo das elites de que o Nordeste brasileiro se tornasse uma “nova Cuba”, recupera histórias dos voluntários que participaram do programa norte-americano Corpos da Paz (Peace Corps) nos anos 1960 e 1970.

O longa é uma coprodução da Jaraguá Produções e da Plano 9 Produções e foi realizado com recursos do Funcultura-PE e do edital Longa Doc do Ministério da Cultura (MinC).

Por meio de testemunhos, material de arquivo e documentação histórica, o filme traz à tona as contradições entre a política exterior norte-americana inaugurada por Kennedy, e as motivações dos voluntários no contexto da Guerra Fria. O golpe militar de 1964 no Brasil, a Guerra do Vietnã, a infiltração da CIA na América Latina completam o cenário abordado no filme. Era um momento no qual as elites e o governo americano acreditavam que o Nordeste brasileiro poderia se tornar uma “nova Cuba”.

Weller mapeou centenas de ex-voluntários que viveram em Pernambuco e entrevistou muitos deles ao longo de dois anos. O perfil dos jovens americanos era diverso. Uma parte vinha tocada pelos movimentos dos direitos civis que varriam os EUA nos anos 1960 e esperava encontrar no programa uma forma de ativismo social. Outra, via no programa uma forma de escapar da guerra do Vietnã.

“No filme, procuro explorar essa presença ambígua dos americanos no Brasil, sem pré-julgar os personagens, mas situando suas ações em um contexto político maior, que ia além das vontades individuais”, explica o diretor.

O documentário de Weller busca lançar luz sobre acontecimentos pouco conhecidos pelo público e revela documentos históricos, farto material audiovisual de arquivo, resultado de uma minuciosa pesquisa em arquivos nacionais e nos EUA.

CORPOS DA PAZ – Criado nos Estados Unidos em 1961 pelo presidente John F. Kennedy, os Corpos da Paz eram o programa governamental que melhor representava a imagem modernizante da era Kennedy. Contra a imagem do americano imperialista e arrogante difundida pelo mundo, o então presidente convocou uma legião de jovens idealistas, recém-formados em universidades, e afinados com o discurso de solidariedade e voluntarismo de luta contra a fome e a pobreza.

Entre 1961 e 1980, centenas de norte-americanos vieram ao Brasil, especialmente para o Nordeste, área considerada no início dos anos 1960 como de alto risco subversivo pelo governo dos EUA. Os voluntários atuaram no Brasil em projetos comunitários, nas áreas da saúde, educação e, principalmente, em cooperativas agrícolas. O Recife chegou a ter um dos maiores escritórios da USAid (a agência de cooperação internacional norte-americana) do mundo, como parte de uma política que visava minar a influência comunista, representada pelas Ligas Camponesas de Francisco Julião.
 

Data da última modificação: 07/11/2017, 15:08