Voltar

Concessão de título de Doutora Honoris Causa a Lia de Itamaracá será no próximo dia 27

Lia de Itamaracá é cantora, compositora, dançarina, brincante e cirandeira, sendo patrimônio vivo da cultura pernambucana

Patrimônio Vivo de Pernambuco desde 2005, a cirandeira Lia de Itamaracá vai receber o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) no próximo dia 27, às 10h, no Teatro Guararapes. O Conselho Universitário (Consuni) da UFPE aprovou a concessão do título a Maria Madalena Correia do Nascimento, mais conhecida como Lia de Itamaracá, na última sexta-feira (9).

Foto: Ytallo Barreto/Divulgação

Cirandeira já foi homenageada pelos governos federal e de Pernambuco

A proposta foi encaminhada ao Consuni pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proexc) da UFPE, que a aprovou previamente, em atendimento ao requerimento coletivo de docentes lotados nos Centros de Artes e Comunicação (CAC), de Ciências Jurídicas (CCJ), Biociências (CB), Acadêmico de Vitória (CAV), Filosofia e Ciências Humanas (CFCH), Ciências da Saúde (CCS) e Ciências Médicas (CCM).

A proposta está baseada no artigo 96 do Estatuto da UFPE em seu parágrafo 3°destaca que “o título de Doutor Honoris Causa será concedido, da mesma forma disciplinada no parágrafo anterior, a personalidade eminente que tenha contribuído para o progresso da Universidade, da região ou do país ou que se distinguiu pela sua atuação em favor das ciências, das letras, das artes ou da cultura em geral”.

Lia de Itamaracá é cantora, compositora, dançarina, brincante e cirandeira, sendo patrimônio vivo da cultura pernambucana. “Ela colocou a democrática ciranda, uma dança circular, dançada ao som das ondas da Ilha de Itamaracá, no roteiro turístico e cultural do Estado de Pernambuco e do Brasil sendo reconhecida internacionalmente”, diz a proposta aprovada.

Em 2004, Lia recebeu da Presidência da República o grau de comendadora da Ordem do Mérito Cultural, ao lado de artistas como Caetano Veloso, Mauricio de Sousa, Márcia Haydée e Odete Lara. Em 2005, o Governo do Estado a reconheceu como “Patrimônio Vivo de Pernambuco”, sendo uma das primeiras pessoas a receber o título, ao lado de Mestre Salustiano e Ana das Carrancas.

A artista recebeu várias homenagens e honrarias em sua carreira, teve sua vida contada em livro e na tela do cinema. Até o compositor Capiba registrou em versos “esta ciranda não é minha só, é de todos nós, é de todos nós” na música “Minha ciranda”.

“Sua obra contribui de modo decisivo para a formação da identidade cultural da região e para o seu cotidiano trabalho de atualização, tornando-a acessível aos vários segmentos e faixas etárias. Lia é uma embaixadora da ciranda e a sua arte ensina aos povos o ato de dar as mãos e de coexistir, compartilhando uma mesma música e uma mesma dança. Em seus 75 anos de existência, nos ensina que ‘esta ciranda quem me deu foi Lia que mora na Ilha de Itamaracá’ e nos inspira a pensar a educação de forma diferente, em um mundo desigual que insiste em ignorar a diversidade”, enfatiza a proposta.

Data da última modificação: 27/08/2019, 14:18