19.05.17

UFPE reúne pesquisadores do Nordeste em torno de especialistas em assuntos asiáticos


PDF Imprimir E-mail

Numa primeira iniciativa para criar um calendário perene e regional de encontros acadêmicos a fim de abordar assuntos sobre a Ásia, o Instituto de Estudos da Ásia da UFPE (Ieasia) reúne até hoje (19), especialista em assuntos relacionados a Rússia, Índia, Japão, China e Relações Internacional, em torno de pesquisadores nordestinos.

Foto: Fabson Gabriel
fotasia1.19.05.17
Marcos Costa Lima destaca a consolidação da rede que vai possibilitar projetos em comum

Com a presença de representantes de universidades do Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Ceará, Sergipe e das faculdades pernambucanas Asces e Damas, o evento  teve início ontem (18) e a programação prossegue hoje, no auditório da Biblioteca Centra da UFPE, com duas mesas-redondas, a partir das 9h.

Foto: Passarinho
fotasia2.19.05.17
Reitor Anísio Brasileiro afirmou que é preciso olhar o mundo a partir de novas perspectivas

Ao participar, ontem (18), da abertura do Seminário Nordestino de Estudos da Ásia, o reitor Anísio Brasileiro elogiou a iniciativa dos pesquisadores e afirmou que é preciso olhar o mundo a partir de novas perspectivas. “A partir do Nordeste, com nossos olhares e valores, podemos oferecer novas interpretações”, afirmou. O organizador do evento, professor e coordenador do Ieasia, Marcos Costa Lima, apontou a importância do seminário ao destacar “a tentativa de articulação das universidades para mostrar que existe na região competência instalada para refletir sobre esses países. Estamos consolidando uma rede que vai viabilizar a criação de um calendário acadêmico com esse propósito”, disse.

Na solenidade de abertura, realizada ontem pela manhã, o cônsul do Japão, Yasuhiro Mitsui, apresentou características socioculturais do seu país e o professor indiano Suranjit Kumar Sahe, da Universidade de Walles-Swansea e que já esteve com visitante na UFPE, discorreu acerca do novo contexto mundial e as repercussões da concentração de riquezas em parcelas mínimas da população, além de explicar a falta de relevância histórica dos partidos de linha esquerdistas da Índia.


Compartilhar

 

336 visitantes online | 1313 visualizações

[ voltar ]