20.03.17

Programa de Pós-Graduação em Geociências promove defesa de doutorado dia 31


PDF Imprimir E-mail

O Programa de Pós-Graduação em Geociências (PPGEOC) da UFPE, promove no dia 31, às 14h, a defesa da tese de doutorado de Renan Alfredo Machado Bantim, intitulada: “Revelando a Conformação Microestrutural de Ossos de Pterodactyloides (Archosauria, Reptilia) do Cretáceo Inferior do Brasil e da China Como Proxy Para o Entendimento do Desenvolvimento Somático de Pterossauros”. O evento acontecerá na sala de projeções no 5° andar do CTG (Geologia).

A defesa da tese, orientada pela professora Juliana Manso Sayão, do Programa de Pós-Graduação em Geociências, contará com a seguinte banca examinadora: Juliana Mando Sayão (orientadora, UFPE); Gustavo Ribeiro de Oliveira (UFRPE); Antônio Álamo Feitosa Saraiva (URCA); Fabiana Rodrigues Costa (UFABC); e Bruno Vila Nova (USP/Ribeirão Preto).

Resumo

Estudos paleohistológicos em vertebrados fósseis constituem uma importante ferramenta, podendo auxiliar na elucidação de uma série de problemas relacionados à biologia de animais extintos, a exemplo, podem ser inferidas a maturidade do esqueleto, taxas de crescimento, fisiologia, e tratar de uma série de considerações ecológicas. Visando aprimorar o conhecimento acerca da paleohistologia dos pterossauros Pterodactyloides, analisamos aqui amostras fossilíferas de dois clados de pterossauros distintos e de distintas localidades fossilíferas Eocretáceas. Para o Aptiano da Bacia do Araripe, foram selecionados espécimes fósseis referidos a pterossauros do clado Anhangueridae, e para o Cenomaniano do Grupo Tugulu, foram analisadas amostras fósseis do pterossauro do gênero Hamipterus da Bacia Turpan-Hami. Alguns espécimes foram identificados como neonatos, juvenis, subadultos e adultos. Quanto às análises dos pterossauros anhanguerídeos ficou claro que as amostras analisadas, na grande maioria, pertenciam a animais subadultos e adultos. Ao comparar os resultados de ambas as amostras, observa-se que Hamipterus apresenta uma fisiologia diferenciada quanto ao crescimento ósseo, sendo o crescimento assintótico desta espécie atingido rapidamente, já os anhanguerídeos apresentam uma menor variação histológica, atingindo grandes proporções corporais e não apresentando lamelas circunferenciais, ou seja, ainda não haviam atingido o crescimento assintótico completo.

Mais informações
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.


Compartilhar

 

232 visitantes online | 694 visualizações

[ voltar ]