Má postura diante dos gadgets

PDF Imprimir E-mail

Capa e Pág.2

infor_-_capa_-_fp_-_17.04.2013

infor_-_fp_-_2_-_17.04.2013

Má postura diante dos gadgets

Notebook é apontado como o maior vilão, por sobrecarregar coluna e ombros

Em dias de tecnologia avançada e necessidade de comunicação constante, todo mundo possui - ou pretende possuir - algum gadget, seja um smartphone, tablet ou notebook. Há quem não desgrude do dispositivo no trabalho, em casa ou até na balada. Mas tanta conectividade tem um preço. Dores nas costas, ombros, pescoço: depois de horas de uso, qualquer usuário está sujeito aos incômodos causados pela má postura.

Segundo a professora do curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Gisela Siqueira, uma das principais desvantagens dessas tecnologias é que o usuário, em geral, utiliza os aparelhos numa posição mais relaxada, seja deitado na cama ou jogado no sofá. “O correto é sentar numa cadeira, com as nádegas adequadamente apoiadas sobre o assento e os pés no chão”, orienta.

Mas não é só a postura inadequada ao sentar que pode trazer prejuízos. O tamanho da tela do dispositivo também influencia na maneira como nos posicionamos diante dos aparelhos. “Quanto menor a tela, mais você tende a aproximar o corpo para digitar ou ler algo”, explica Gisela.

O ortopedista e coordenador do setor de Ortopedia do Hospital Miguel Arraes, Maurício Moreira, cita os erros mais comuns ao utilizar aparelhos eletrônicos: “Muita gente senta com a coluna vertebral relaxada, com curvatura acentuada para frente. São práticas que acarretam doenças como cervicalgias (torcicolo), lombalgias e tendinites”, esclarece.

No caso dos notebooks, por exemplo, a sobrecarga costuma incidir sobre a região torácica, entre as escápulas, e sobre os ombros. Foi o que aconteceu com o técnico de produção industrial Waldson Max, de 21 anos. Ele costumava utilizar o aparelho deitado em sua cama, apoiado sobre os cotovelos. “Como a cama é fofa, meus cotovelos ‘afundavam’ e acabava forçando muito os ombros. Acordava no outro dia sentindo muita dor”, conta.

O jovem percebeu que o incômodo era causado pela má postura e passou a usar o laptop somente sobre uma mesa. Além disso, ele procurou orientações da fisioterapeuta responsável pela ginástica laboral em seu local de trabalho, que lhe recomendou exercícios de alongamento. “Depois disso, as dores passaram e eu presto atenção quando vou usar o notebook”, afirma o técnico.

A professora Gisela dá a dica de suportes para notebooks que elevam a altura da tela, cuja borda superior deve ficar na linha dos olhos. Eles existem para notebooks e tablets, com preços que variam de R$ 40 a mais de R$ 300. Uma alternativa mais barata e prática é colocar o notebook sobre livros, para atingir a altura adequada. Para ficar mais confortável, pode-se acoplar um mouse e um teclado ao dispositivo.

Uma ressalva do ortopedista Maurício Moreira é que não é recomendado manter a mesma postura, mesmo que correta, durante longo período. Segundo os especialistas, após 45 minutos é aconselhável mudar de posição. E, quando as dores surgirem, é sempre bom procurar um profissional especializado.

Usuários também devem cuidar da visão

Olhos sofrem com a exposição prolongada, ressecam e acabam prejudicados

Não só a postura merece atenção dos usuários que passam horas em frente ao computador ou usando gadgets. A visão também é prejudicada pelo excesso de uso e a utilização incorreta. O posicionamento do aparelho e o ambiente onde você o utiliza influem diretamente sobre os olhos. Segundo o oftalmologis­ta do Instituto de Olhos do Recife (IOR), Daniel Medeiros, ao utilizar os gadgets, ficamos mais concentrados e, por isso, diminuímos o ritmo das piscadas em até 60%. Desta forma, o olho deixa de ser lubrificado adequa­damente, o que pode causar ressecamento. “Inclusive, ge­ral­mente utilizamos esses dispositivos em lugares com ar condicionado ou ventilador, o que provoca ainda mais a evaporação das lágrimas”, completa.

É a chamada Síndrome da Visão do Computador, que vem incidindo cada vez mais sobre a população nos últimos 20 anos, com a difusão dos aparelhos eletrônicos. “O homem sempre leu. Antes, com o papel, a posição do objeto de leitura era inferior aos olhos, fazendo com que as pálpebras ficassem mais fechadas e o olho menos exposto. Agora, a tela do computador fica em frente ao rosto, o que deixa a pálpebra mais aberta e o globo ocular mais suscetível a ressecamento”, contextualiza o oftalmologista da clínica Memorial Oftalmo do Hospital Memorial São José, Fábio Casanova.

Outros fatores também influenciam no cansaço e irritação dos olhos: a tela iluminada, seja de um notebook ou tablet, emite radiação, o que acaba cansando o olhar. Casanova aler­­ta que o uso de aparelhos com tela luminescente em locais mal iluminados também pode causar problemas pontuais. “Quando você usa um note­book, tablet ou PC iluminado num ambiente escuro, a pupila, que se contrai e relaxa de acor­do com a luminosidade, tem uma variação maior em suas contrações e acaba fadigada”, explica.

Para evitar o cansaço da vista, além da iluminação adequada, é importante que, a cada hora de uso do aparelho, faça-se um intervalo de, em média, 15 mi­nutos. “Neste tempo, não se de­­­ve ler ou ver televisão, ativida­des que forçam a vista. O correto é olhar al­gum ponto à distância ou fechar os olhos, para relaxar os músculos da região”, orienta Medei­ros.