Voltar

UFPE e sociedade II

Publicado no Jornal do Commercio, no dia 15 de dezembro de 2018

Por Anísio Brasileiro e Ana Cristina Fernandes*

Em artigo anterior, apontamos para a relevância atual de parcerias estratégicas entre universidade e sociedade em torno de projetos fundamentais para a geração do conhecimento e formação qualificada de recursos humanos. Neste sentido, o projeto do Campus Goiana de Tecnologias Avançadas já conta com algumas propostas como a criação do Escritório Técnico de Criatividade, onde agentes sociais e econômicos, públicos e privados, encontrariam uma ampla porta de entrada na universidade em busca de soluções para suas demandas. Tal escritório articularia tais demandas às competências científicas e tecnológicas necessárias à sua solução, coordenando graduação e pós-graduação em torno de projetos interdisciplinares.

Estruturas como essa serão tanto mais exitosas quanto mais demandas concretas a sociedade e a economia apresentarem à universidade. Com a colaboração e a criatividade dos mais variados interlocutores, poderemos construir naquela região do Estado uma experiência de base territorial capaz de contribuir para o desenvolvimento de conhecimentos e tecnologias que promovam a melhoria da qualidade de vida de nossa população, a sustentabilidade ambiental e a diversificação e dinamização da atual estrutura produtiva estadual, dos estabelecimentos mais avançados e modernos aos mais simples e distantes do progresso técnico.

Valorizando nossas especificidades e riquezas, assim como o diálogo e criatividade local, não nos furtaremos a aprender também com experiências em andamento em outros países, a exemplo dos diversos exemplos que a Reitoria teve oportunidade de conhecer em vários contextos e setores nos últimos anos. Em todas elas, a estreita cooperação entre a universidade, o setor privado e a sociedade civil é condiçãosinequanonpara mobilizar o apoio governamental. A construção dessa experiência poderá contar com a cooperação internacional de universidades, organizações e empresas que agreguem com suas experiências a formulação consistente e apropriada de um sistema territorial de inovação que desejamos para a região de Goiana. Buscaremos, pois, articular instrumentos de promoção de inovação necessários ao sucesso dessas parcerias estratégicas.

*Anísio Brasileiro, reitor, e Ana Cristina Fernandes, coordenadora de Parcerias Estratégicas da UFPE

 

 

Data da última modificação: 17/12/2018, 15:11