Voltar

Residência médica e multiprofissional

Gilson Edmar Gonçalves e Silva
gilson.edmar@ufpe.br Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

Os programas de residência na área da saúde ocupam um papel fundamental na formação dos novos profissionais, pela característica de seu treinamento em serviço, ou seja, uma capacitação baseada na atividade prática. Trata-se de uma pós-graduação lato sensu, no nível de especialização.

A residência médica foi a primeira a ser criada, nas suas diversas especialidades. Na UFPE, a residência foi instalada em 1958, por iniciativa dos professores Amaury Coutinho, Eduardo Wanderley Filho, Jarbas Pernambucano e Salomão Kelner, ainda no Hospital Pedro II, onde se desenvolveu até a transferência para o novo Hospital das Clínicas, no câmpus da Cidade Universitária, continuando suas atividades sem interrupção nestes mais de 50 anos. Os profissionais médicos, após a conclusão da sua graduação, submetem-se a uma seleção para cursar a residência escolhida. Ao terminar, recebe um certificado de especialista, na área específica, tendo antes apresentado uma monografia como pré-requisito.

Nos últimos anos foram criadas as residências multiprofissionais, por iniciativa e com apoio dos Ministérios da Saúde e da Educação. Este tipo de residência tem o mesmo objetivo da residência médica, ou seja, o treinamento em serviço. Este treinamento pode ser na atenção básica, utilizando o SUS como campo de prática e também nos hospitais universitários credenciados para tal atividade. Na UFPE a primeira a ser criada foi a residência multiprofissional do Centro de Ciências da Saúde, direcionada à atenção básica. Posteriormente foi instalada uma no Hospital das Clínicas e duas no Centro Acadêmico de Vitória. Estas últimas tinham objetivos diferentes, sendo uma na atenção básica, no sistema de saúde da cidade de Vitória de Santo Antão e a outra no Hospital Dom Malan, em Garanhuns.

As residências médica e multiprofissional têm desempenhado seu papel com eficiência na formação de profissionais da área da saúde, tanto nas diversas especialidades médicas, como na atenção básica, seja no sistema de saúde ou no âmbito hospitalar.

Entretanto, estes programas com uma carga horária mínima de 5.760 horas, em 2 ou mais anos de formação, forma apenas especialistas, sendo equiparados aos diversos cursos de especialização de apenas 400 horas.

Com a experiência de mais de 10 anos de mestrados profissionais no País, a Capes lançou um edital para apresentação de projetos de implantação de mestrado profissional associado a programas de residência em saúde, devidamente credenciados. Podem apresentar os projetos as instituições de ensino superior que tenham programas de pós-graduação stricto sensu na área da saúde, reconhecidos pela Capes. São diversas as áreas temáticas para as residências médica e multiprofissional atendidas pelo edital.

Os programas de residência, que já se consolidaram como importante processo de formação profissional, e o mestrado profissionalizante podem ser perfeitamente integrados. Dessa forma proporciona a alternativa de realizar o mestrado em concomitância com a residência. A inclusão de disciplinas com caráter de instrumentação para pesquisa é viável, sem prejuízo das atividades regulares da residência.

A integração entre a residência médica e multiprofissional com o mestrado traz como benefício à especialização do profissional de saúde e a obtenção do título de mestre em curto espaço de tempo, preservando a qualidade da sua formação profissional. Os que cursarem o mestrado profissional associado à residência receberão os graus de especialista e de mestre, este último com as mesmas prerrogativas do mestrado acadêmico.

São os objetivos destes cursos associados: capacitar profissionais, transferir conhecimento para a sociedade, promover articulação integrada na formação profissional e contribuir para agregar competências.

Enfim, temos os programas de residência e a Capes já regulamentou o processo. Compete à UFPE atender ao edital e proporcionar aos jovens residentes a oportunidade de abreviar sua titulação, com a implantação do mestrado profissional associado à residência médica e multiprofissional.

» Gilson Edmar Gonçalves e Silva é médico e vice-reitor da UFPE
Data da última modificação: 27/10/2016, 14:44