Voltar

Córdoba, 1918

Publicado no Jornal do Commercio no dia 25 de agosto de 2018

1918, 1968, 2018. Separadas por intervalos de 50 anos, essas datas marcam mudanças disruptivas nas relações entre a universidade e a sociedade. Em cada uma delas, a universidade pública afirmou que só pode exercer sua autonomia plena e contribuir para o progresso social em ambientes democráticos. Assim foi em1918 quando,na cidade de Córdoba, Argentina, os estudantes ocuparam a universidade e iniciaram o que veio a se chamar a Reforma Universitária em “Nuestra América”, como o poeta cubano José Martí chamou o nosso continente. Para a historiadora Natalia Bustelo, naquele momento de transição entre os governos oligárquicos e os democráticos, os estudantes argentinos queriam participar dos destinos da universidade e já reivindicavam ensino gratuito, alocação de bolsas de estudo, melhoria na qualidade dos professores e sua contratação por concursos, ampliação do acesso ao ensino superior público e um programa de extensão que integrasse os saberes acadêmicos e sociais. Em junho de 2018, ocorreu na Universidade Nacional de Córdoba a III Conferência Regional de Educação Superior, sob o patrocínio da ONU. Um século depois, foram reafirmados os princípios de 1918.

Ratificou-se a importância estratégica da educação superior pública e o papel da universidade na formação profissional de qualidade e cidadã, contribuindo para projetos de desenvolvimento inclusivos e solidários. Entre 1918 e 2018, ocorreu o “Maio de 1968”, período em que eclodiram, a partir de Paris e depois em tantos outros lugares do mundo, manifestações estudantis antiautoritárias, mudando de vez a forma como a juventude concebia a cultura e a política. Apesar de tantas diferenças contextuais, uma linha conecta os acontecimentos na Argentina, na França e o tempo presente. Principalmente a ideia de que, como registra a declaração da conferência de Córdoba, o acesso, o uso e a democratização do conhecimento é um bem coletivo e estratégico, indispensável para garantir a cidadania plena e a emancipação social. Cem anos depois, a Declaração de Córdoba nos lembra de que a questão da autonomia é cada vez mais atual.

A educação, a ciência, a tecnologia e as artes promovidas pelas universidades públicas são fundamentais para a promoção da liberdade e da igualdade, independentemente da classe social, dos gêneros, das etnias, das crenças religiosas ou outras formas de distinção. No momento em que o Brasil vive um período eleitoral, sempre propício para a discussão dos caminhos que a sociedade pretende trilhar, vale repetir o que já diziam os jovens de Córdoba em 1918: a universidade pública autônoma é essencial para construir uma nação independente e solidária.

Anísio Brasileiro, reitor da UFPE

Data da última modificação: 16/10/2018, 15:19