A instituição

PDF Print E-mail

A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) é uma das melhores universidades do País, em ensino (graduação e pós-graduação) e pesquisa científica, sendo a melhor do Norte-Nordeste, segundo avaliações dos Ministérios da Educação (MEC) e de Ciência e Tecnologia (MCT).

As avaliações levam em consideração, para a graduação, os índices de desempenho dos alunos no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), a estrutura das instituições e o investimento em professores e nos cursos, reunidos agora no Índice Geral de Cursos (IGC), e da titulação e produção científica dos professores da pós-graduação – pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), estas duas avaliações do MEC.

 

O resultado do Censo 2008 do Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, realizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do MCT, coloca a UFPE em 7º lugar em números de grupos de pesquisa entre as universidades do País. A Universidade tem um total de 464 grupos de pesquisa.

 

Nos últimos anos, com apoio do Governo Federal, a UFPE expandiu a sua atuação – hoje são três campi, localizados no Recife, em Vitória de Santo Antão e em Caruaru – e ampliou sua interação com a sociedade, criando novos cursos em atendimento a demandas sociais e econômicas, aumentando vagas em cursos tradicionais e oferecendo oportunidades focadas no novo cenário econômico do Estado.

 

No período de 2005 a 2013, foram criadas 2.482 vagas em cursos de graduação. Neste período, 28 cursos foram implantados, entre eles Cinema, Arqueologia, Museologia, Dança, Sistemas de Informação, Engenharia de Materiais, Engenharia de Energia e Engenharia Naval. O crescimento é decorrência, principalmente, de dois programas do Ministério da Educação: o de Interiorização do Ensino Superior e o de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni).

 

Infraestrutura

 

A UFPE reúne mais de 40 mil pessoas, entre professores, servidores técnico-administrativos e alunos de graduação e pós-graduação, distribuídos em três campi: Recife, Caruaru e Vitória de Santo Antão. Além da excelência de seus recursos humanos, a Universidade se destaca por sua infraestrutura física, que está em franca expansão.

 

No Campus Recife, são mais de 40 prédios, entre eles a Reitoria, nove Centros Acadêmicos, oito Órgãos Suplementares, Centro de Convenções, Concha Acústica, Clube Universitário, Creche, Casas dos Estudantes Masculina e Feminina e o Restaurante Universitário.

 

Fora do campus, no Recife, encontram-se o Centro de Ciências Jurídicas, o Núcleo de Televisão e Rádios Universitárias, o Centro Cultural Benfica, o Memorial de Medicina e o Núcleo de Educação Continuada. No Interior, estão o Centro Acadêmico do Agreste, em Caruaru, e o Centro Acadêmico de Vitória de Santo Antão, localizado na Zona da Mata Norte.

 

Graduação

 

A Universidade oferece 99 cursos de graduação presenciais distribuídos em 12 centros e mais cinco cursos de graduação na modalidade a distância (com um total de 711 vagas, sendo 483 para livre concorrência, 78 para cotas sociais e 150 para o Parfor – exclusivas para professores que atuam na rede pública de ensino.). Em 2005, eram oferecidos 65 cursos de graduação.

 

Em 2006, foram criados quatro cursos no novo campus de Caruaru: Administração, Pedagogia, Engenharia Civil e Design. Em 2007, tiveram início três cursos em Vitória: Ciências Biológicas, Enfermagem e Nutrição. Em 2009, 530 vagas foram oferecidas em 14 novos cursos: Cinema, Dança, Gestão da Informação, Ciências Atuariais, Arqueologia, Ciência Política/Relações Internacionais, Museologia, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Alimentos e Oceanografia, no Recife; e Engenharia de Produção e Licenciatura em Química, em Física e em Matemática, em Caruaru.

 

Em 2010, foram 80 novas vagas em três novos cursos: Sistemas de Informação e Engenharia de Materiais, no Recife; e bacharelado em Educação Física, em Vitória. E em 2011, mais 65 vagas em dois novos cursos: Engenharia Naval, no Recife; e Licenciatura em Educação Física, em Vitória. Em 2012, começou o curso de Bacharelado em Educação Física, no Campus Recife, com 60 vagas, tendo sido criadas mais 42 vagas em outros cursos. Em 2013, teve início a graduação em Saúde Coletiva, vinculada ao Centro Acadêmico de Vitória, com 60 vagas. Em 2014, a novidade é o curso de Medicina, em Caruaru, com 80 novas vagas.

 

Pós-Graduação

 

Atualmente, são oferecidos 128 cursos de pós-graduação stricto sensu (sendo 69 Mestrados Acadêmicos, dez Mestrados Profissionais e 49 Doutorados, além de 79 cursos de pós-graduação lato sensu - especializações). Em 2010, foram iniciados oito novos cursos de pós-graduação, entre os quais o Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental (o primeiro a funcionar no Campus Caruaru), os Mestrados em Biotecnologia Industrial e em Enfermagem e o Mestrado Profissional em Administração, o Doutorado em Design, o Mestrado e o Doutorado em Biologia Aplicada à Saúde e o Mestrado em Artes Visuais.

 

Em 2011, tiveram início dois novos mestrados acadêmicos, que formam os Programas de Pós-Graduação em Educação Contemporânea e em Economia, ambos em Caruaru. Nos últimos dois anos, dez novos mestrados foram abertos nos três campi, sendo seis acadêmicos e quatro profissionais. Ganham destaque novos programas de pós-graduação criados nos Centros Acadêmicos de Vitória (em Saúde Humana e Meio Ambiente e em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica) e do Agreste (em Engenharia de Produção).

 

Pesquisa

Em suas pesquisas, a UFPE tem focado as áreas tidas como estratégicas para o Estado e para a região: Petróleo e Gás; Energia e Biomassa; Bioengenharia e Engenharia Naval; Meio Ambiente; Fármacos e Medicamentos; Nanociência, Nanotecnologia e Materiais Avançados; Metrologia Arqueológica e Patrimonial; Informática; Ciências Humanas e Sociais; e Ciências da Saúde. Somente no âmbito do CT-Petro (fundo setorial financiado pela Financiadora de Estudos e Projetos – Finep – do Ministério da Ciência e Tecnologia), desenvolve mais de 50 projetos, por meio de 12 redes de pesquisa, envolvendo diversos centros.

 

Avaliações

 

- Graduação

 

A UFPE obteve bons resultados nas avaliações do Ministério da Educação divulgadas no dia 6 de dezembro de 2013: o Conceito Preliminar de Curso (CPC) e o Índice Geral de Cursos (IGC) das instituições de educação superior referentes ao ano de 2012. A Universidade alcançou o conceito 4 no IGC, pelo quinto ano consecutivo. O IGC contínuo ficou em 3,53. Entre os cursos avaliados, Publicidade e Propaganda, do Campus Recife, obteve o conceito máximo, 5, no CPC.

 

Já os cursos de Administração/Caruaru, Ciências Econômicas/Recife, Design/Recife, Turismo/Recife e Jornalismo/Recife tiveram conceito 4. Os cursos Administração/Recife, Direito/Recife, Psicologia/Recife, Ciências Contábeis/Recife e Secretariado/Recife alcançaram índice 3. Já os cursos de Ciências Econômicas/Caruaru e Design/Caruaru não pontuaram.

 

- Pós-Graduação

 

A UFPE ganhou destaque entre as instituições de Ensino Superior do Norte e Nordeste no resultado final da Avaliação Trienal 2013 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação. Nessa avaliação, é atribuída uma nota, numa escala de 2 a 7, aos programas de pós-graduação stricto sensu do País, que são os cursos de mestrado acadêmico, mestrado profissional e/ou doutorado. Na avaliação divulgada no início de 2014, sete programas obtiveram nota 6, um fato inédito na Universidade. A lista completa está disponível no site da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação.

 

As notas da avaliação, que são divulgadas a cada três anos, foram divulgadas, no site da coordenação, e resultam de uma avaliação periódica feita junto aos programas durante os anos de 2010, 2011 e 2012. Essa avaliação leva em consideração uma série de indicadores enviados em relatório para a Capes pelos programas de pós-graduação, como a proposta dos cursos, produção científica dos corpos docente e discente e atividades de inserção na sociedade.

 

Na Avaliação Trienal passada, divulgada em 2010, a UFPE contava com dois programas que apresentavam a nota 6, o de Física e o de Ciência da Computação, ligados ao Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN) e ao Centro de Informática (CIn) respectivamente. Nesta avaliação, além desses terem mantido a nota, também receberam nota 6 os programas de pós-graduação em Química, do CCEN; Engenharia de Produção, do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG); Nutrição, do Centro de Ciências da Saúde (CCS); Ciência Política, do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH); e Biologia Vegetal, do Centro de Ciências Biológicas (CCB).

 

- Pesquisa

 

De acordo com o Censo 2008 do Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, realizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), divulgado em agosto de 2009, a UFPE é a sétima melhor universidade do País em número de grupos de pesquisa, totalizando 464 grupos de pesquisa na Universidade, que representam 2% do total nacional. Do total de 2.339 pesquisadores da UFPE, 1.816 são doutores. Ao todo, foram inventariados 22.797 grupos de pesquisa no País.

 

Nas últimas avaliações realizadas pelo CNPq, a UFPE registrou um aumento do número de grupos cadastrados, passando de 164, em 1997, para 273, em 2000; chegando a 334, em 2002. Em 2004, havia 354 grupos de pesquisa na Universidade. Em 2006, havia 387 grupos de pesquisa.