Integração de Sistemas de Referência Locais Existentes ao SIRGAS-2000 Utilizando o Método de Colocação por Mínimos Quadrados.

Wendel Gerônimo Dos Santos

 

RESUMO

 

Com a mudança do datum geodésico brasileiro de SAD-69 (Sul American Datum 1969) para o SIRGAS-2000 (Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas), e o emprego cada vez mais crescente do GPS (Sistema de Posicionamento Global) na implantação de redes e suas densificações para as mais diversas aplicações geodésicas, como engenharia, cadastro, cartografia, entre outras, verifica-se com isso a necessidade da integração dos dados existentes no antigo datum ao novo datum estabelecido, através de parâmetros que melhor se adequem a situação local. Está concedido um período de transição não superior a dez anos, onde o SIRGAS 2000 pode ser utilizado em concomitância com o SAD-69 para o SGB e Córrego Alegre para o Sistema Cartesiano Nacional (SCN).

            O reajustamento da Rede Geodésica Brasileira (RGB), denominada SAD-69/96 mostrou que a rede clássica está afetada por distorções da ordem de 45 m, em média está em torno de 15 m, o que justifica a necessidade da mudança do referencial geodésico baseado em observações por satélite.

            De acordo com o IBGE (2005), os parâmetros de transformação entre o SAD-69 e o SIRGAS-2000 são Dx= -67,35 m, Dy= 3,88 m, Dz= -38,22 m, e do GSP para o SIRGAS-2000 são Dx= 48 dm, Dy= -49 dm e Dz= -30 dm. Considerando a pequena diferença entre os dois conjunto de parâmetros para a maioria das aplicações geodésicas locais, negligenciam-se as transformações entre os sistemas de coordenadas obtido por GPS e o SIRGAS-2000.

            Diante das distorções existentes na rede clássica referenciada ao SAD-69, as transformações realizadas através de relações geométricas simples, como por exemplo, uma transformação de similaridade ou uma transformação afim raramente podem apresentar uma solução satisfatória. Desta forma, no presente trabalho consideraremos a transformação entre os dados existentes no SAD-69 e seus homólogos obtidos por GPS, como uma integração direta ao SIRGAS-2000. Isso pode ser conseguido através de um método de interpolação, como por exemplo, o método de colocação por mínimos quadrados.

            Logo, o objetivo desse trabalho é estimar os parâmetros locais de transformação aplicando o método de colocação por mínimos quadrados em comparação com a transformação de Helmert. Para atender esse objetivo, o autor desenvolveu programas na plataforma MATLAB, que incluem a determinação de parâmetros entre os referenciais, usando a transformação de Helmert e o método da colocação. A estimação dos parâmetros foi realizada tanto com coordenadas cartesianas quanto com coordenadas elipsoidais de 199 pontos de uma rede geodésica existente na região João Pessoa, cujas coordenadas foram retiradas da carta digital da cidade.

            Os resultados obtidos com a aplicação dos dois procedimentos para a determinação dos parâmetros mostraram que o método da colocação foi mais eficaz que a transformação de Helmert, uma vez que as discrepâncias estimadas pelo método da colocação foram na faixa de 10 dm, já os da transformação de Helmert ficaram numa média de 1 m, logo percebe-se que as discrepâncias do método da colocação ficaram dez vezes menores que as da transformação de Helmert.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IBGE (2005). Resolução do Presidente do IBGE n° 1 de 25/02/2005. Disponível em:

ftp://geoftp.ibge.gov.br/documentos/geodesia/pmrg/legislacao/RPR_01_25fev2005.pdf. Acesso em: 29/01/2008.