Histórico

PDF Imprimir E-mail
1981 a 1988
OS PRIMEIROS DESAFIOS

Autora: Isaíras Pereira Padovan
 
A primeira Professora indicada para a Coordenadoria Setorial de Extensão do Centro de Ciências Biológicas pelo Reitor Professor Geraldo Lafaiete Bezerra, conforme Portaria de Pessoal Nº 629, em 18 de setembro de 1981, foi Sigrid Lemos Moura, lotada no Departamento de Histologia e Embriologia.

Naquela oportunidade, a Coordenadora de Extensão não tinha assento no Conselho Departamental e, quando necessário, era convidada a comparecer à Reunião para prestar esclarecimentos pelo desempenho à frente da Coordenação de Extensão do CCB, como ocorreu em 12 de dezembro de 1983, atendendo ao convite do Professor Décio de Andrade Lyra, Diretor do CCB. Entretanto, nas Atas do Conselho Departamental  nada consta sobre os esclarecimentos supra citados.

A Professora Sigrid Lemos Moura, a partir do mês de abril do ano de 1984 a abril de 1985, solicitou afastamento do País para estagiar como Assistente convidada da I Cadeira do Instituto de Anatomia da Universidade de Heidelberg – Alemanha Ocidental, tendo seu pedido aprovado.

Após acordo verbal firmado com o Reitor Geraldo Lafaiete Bezerra, a Professora Isaíras Pereira Padovan, por indicação de Sigrid Moura, assume, informalmente, o cargo de Coordenadora Setorial de Extensão do CCB.

A partir de 05 de abril de 1984, a Professora Isaíras participou da Reunião do Conselho Departamental e, na ocasião, solicitou direito a assento no Conselho, bem como voz e voto. Após discussões, o Conselho estabeleceu que a Coordenadora seria convocada oficialmente e que teria direito apenas a VOZ e não a VOTO.

Após essa resolução, para a Reunião datada de 08 de agosto de 1984, a Professora Isaíras foi convocada oficialmente e a partir de então passou a ter citação nominal nas Atas do Conselho Departamental como Coordenadora Setorial de Extensão do CCB.

Em 06 de setembro de 1984, o Reitor Professor George Browne Rego designou as Professoras Isaíras Pereira Padovan e Elizabeth Alves de Oliveira, respectivamente, Coordenadora e Vice-Coordenadora da Setorial de Extensão do Centro de Ciências Biológicas (Processo Nº 23076.006702/84-1), de acordo com a Portaria de Pessoal Nº 958.

No início, houve um grande trabalho de conscientização junto aos Departamentos sobre a necessidade do registro dos trabalhos (Cursos programados, principalmente) na Pró-Reitoria competente, através da Coordenadoria Setorial. Mesmo tendo existido uma certa resistência em seguir esse trâmite, por alegarem a necessidade do pagamento de uma TAXA à Pró-Reitoria, a Coordenadoria mostrou a rápida viabilidade na expedição dos Certificados, além de outras benécias via Pró-Reitoria, e não através do Departamento proponente.

No dia 11 de maio de 1988, a Professora Isaíras Padovan participou da sua última reunião do Conselho Departamental do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco.

Infraestrutura e Recursos Humanos

Nesse período, a Coordenação não dispunha de sala para o desenvolvimento das atividades, como também não disponibilizava de pessoal de apoio e nem de material de consumo ou permanente, tais como: papel ofício, lápis, canetas, máquina de datilografar, fichários, etc.     

Publicações
 
Durante essa fase, ocorreu o primeiro Seminário de Extensão da UFPE, organizado e realizado pela Pró-Reitoria responsável pelas atividades extensionistas. Esse Seminário proporcionou aos Centros Acadêmicos a apresentação dos seus trabalhos extensionistas, bem como a publicação da Revista “Extensões”.

1988 a 1996
E EIS QUE SURGE A EXTENSÃO... NO “HORIZONTE” DO CCB

Autoras: Marlene Carvalho de Alencar Barbosa e Verônica da Fonsêca-Genevois
 
Início de 1988. Precisamente março. Um novo Diretor acabara de assumir o Centro de Ciências Biológicas e claramente se percebia uma positiva “efervescência” no ar! Com a posse do Professor Fernando José Costa de Aguiar, surge, como um dos mais destacados desafios para a Unidade, tornar a extensão formalizada e efetivada, embora fosse devidamente trabalhada, até então, pelas eficientes Professoras Isaíras Pereira Padovan (titular) e Elizabeth Alves de Oliveira (suplente), respectivamente dos Departamentos de Histologia e Embriologia e de Bioquímica. Dentre outras importantes ações traçadas, nesse início de Gestão, a leitura de um outro tipo de extensionismo estava começando a ser moldada através de conversas, indagações, idéias integradoras, numa verdadeira e agradável modelagem de aproximação de grupos, diagnósticos, sondagens informais... Somando-se à bagagem já existente no CCB, o atual Dirigente queria fazer o diferencial, mas de forma coletiva, objetivando tornar plural a extensão no Centro de Ciências Biológicas. A vontade de interagir efetivamente as atividades do Centro com a sociedade, fez com que o novo Diretor instituísse, em maio desse mesmo ano (1988), a Coordenação de Extensão, tendo como primeiro legado um espaço físico próprio, mesmo que, ainda, sem remuneração para os seus coordenadores e secretário.

Atuaram de 1988 a 1993, na condição de Coordenadora e Vice de Extensão, a Professora Verônica Gomes da Fonsêca-Genevois, do Departamento de Zoologia e a Bióloga Marlene Carvalho de Alencar Barbosa, do Departamento de Botânica (Portaria Nº 857, de 29 de junho de 1988, assinada pelo então Reitor da Universidade Federal de Pernambuco, Professor Edinaldo Gomes Bastos). O fato de um técnico e não um docente vir a assumir a Vice-Coordenação de Extensão mereceu – inclusive – consulta à Reitoria da UFPE, uma vez que estava sendo algo pouco comum, ou melhor dizendo, inusitado.

Em 28 de julho, o Diretor anunciou em reunião do Conselho Departamental a necessidade de instalação do primeiro Colegiado de Extensão da UFPE, sendo esse logo a seguir, constituído por seus representantes (Docentes) escolhidos pelos Plenos dos Departamentos, alguns indicando desde já os seus titulares e suplentes, conforme seqüência: Austregezilo Vieira da Costa Sobrinho e Francisco Lins Cavalcanti Filho (Anatomia), Rosália Corrêa Lima e Ely Cavalcanty Silva (Antibióticos), Mauricy Alves da Motta e Miguel Archanjo Muniz Leal (Biofísica e Radiobiologia), Maria do Socorro Santos Ferreira (Bioquímica), Vilna Vasconcelos Maia (Biologia Geral – atual Departamento de Genética), José Luiz de Hamburgo Alves e Severino do Monte Prazeres (Botânica), Glória Isolina Boente Pinto Duarte (Fisiologia e Farmacologia), Tereza Cristina de Aguiar Valadares e Maria Odete de Vasconcelos (Histologia e Embriologia), Therezinha Tavares de Barros Souza e Anna Amélia Salgado Alves da Silva Cavalcante (Micologia) e Ângela Maria Isidro Nóbrega de Farias e Clélio Machado (Zoologia). Participavam também na condição de convidados, os Professores Aluízio José Bezerra, Coordenador do Curso de Ciências Biomédicas, sendo este também representado pelo Professor Luciano Tavares Montenegro, Eleta Maria Portella Ladosky, Coordenadora do Curso de Ciências Biológicas e Reinaldo de Medeiros Melo e Tereza Cristina de Aguiar Valadares, respectivamente Coordenador e Vice da Área III. O Colegiado de Extensão efetivou-se em 05 de maio de 1988, em reunião que contou com a presença do Diretor do CCB, do Professor Sílvio Marcelo de Albuquerque Maranhão, Pró-Reitor para Assuntos Comunitários (PROCOM) da UFPE, da Coordenadora e da Vice de Extensão/CCB, dos representantes de Extensão dos Departamentos e ainda dos Professores Aluízio José Bezerra, Eleta Maria Portela Ladosky e Tereza Cristina de Aguiar Valadares.

Nessa época, o CCB foi fortemente divulgado pela televisão universitária, promovendo seus cursos e suas pesquisas, enquanto se observava uma maciça participação do seu quadro didático-administrativo nas boas tardes de artes às sextas-feiras. Muitos projetos e cursos foram desenvolvidos pelos Departamentos do CCB, sendo o Colegiado o foco e a base para as discussões, as orientações, os pareceres..., favorecendo também o desenvolvimento das ações. A partir daí, a Extensão desenvolvida pelo CCB se firmou na UFPE fazendo o seu diferencial de idéias inovadoras e – principalmente – partilhadas por um Colegiado fundamentado por representantes de seus dez Departamentos. Nenhuma idéia deixava de ser exposta, estudada e acordada por seus pares e todas as propostas de projetos, cursos e atividades eram analisadas por membros do Colegiado que emitiam críticas, sugestões e pareceres visando a melhoria dos mesmos.

Nesse período, a Pró-Reitoria Comunitária-PROCOM, que era responsável por todos as atividades extensionistas da UFPE, dispunha do Departamento de Programas Comunitários e Interiorização, Coordenado pela Professora Neide Maria Freire Ferraz, contando com o assessoramento de alguns docentes, entre as quais as Professoras Maria da Paz Brasil Oliveira e Rosa Amélia Leal, Ladjane do Carmo Araújo e Apoio Técnico de Aucilene de Moura Pereira.

Após a saída voluntária da Professora Verônica Fonseca em 1993, assumiu a Vice Coordenadora, Marlene Barbosa, de 1993 a 1996 (Portaria Nº 01/93, de 26 de maio de 1993, assinada pela Professora Margarida de Oliveira Cantarelli, Pró-Reitora para Assuntos Culturais e Intercâmbio Científico-PROACIC).

Publicações

A “extensão” plantada e incentivada pelo Professor Fernando Aguiar, de 1988 a 1992, foi também “alimentada” pela Diretora que o sucedeu, a Professora Ana Maria França Bezerra (1992 a 1996), se destacando mais uma vez o CCB, dessa feita como pioneiro em publicação sobre Extensão Universitária na UFPE, produzindo dois trabalhos simples, mas inéditos:

1º) Barbosa, M. C. A. Catálogo das Atividades de Extensão do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Editora UFPE, 1993. 24 p.
Faziam parte do Colegiado de Extensão nesse período correspondente ao primeiro trabalho, os Professores: Francisco Lins C. Filho e Maria de Fátima G. da Silveira (Anatomia), Rosália Maria Corrêa Lima e Maria Salomé S. de Andrade (Antibióticos), Emerson Azevêdo de Araújo e Milton  Marcelino Filho (Biofísica e Radiobiologia), Maria Elizabeth Chaves e Levy dos Santos Guedes (Bioquímica), José Vicente da Silva (Botânica), Belmira Lara da Costa e Carlos Alberto Gonçalves (Fisiologia e Farmacologia), Aline Chaves Alexandrino e Elias Oliveira da Silva (Genética), Tereza Cristina de A. Valadares e Cynthia Rayol de Andrade (Histologia e Embriologia), Armando Marsden Lacerda Filho e Sidney Turiassú Bastos (Micologia) e Clélio Machado e Antônia Elídia Hadj Idris (Zoologia).

2º) Barbosa, M.C.A.; Alexandrino, A.C. Extensão Universitária: Levantamento de Opiniões, Análise e Propostas, do Centro de Ciências Biológicas-UFPE. Editora UFPE. Recife. 1994. 12 p.
Atuaram como representantes de Extensão por ocasião da segunda publicação: Alexandre da Motta Bittencourt e Maria de Fátima Galdino (Anatomia), Rosália Maria Corrêa Lima e Maria Salomé S. de Andrade (Antibióticos), Frederico T. de Almeida e Milton Marcelino Filho (Biofísica), Levy dos S. Guedes (Bioquímica), José Vicente da Silva (Botânica), Parviz Afiatpour e Paulo Faltay (Fisiologia), Aline Chaves Alexandrino e Elias Oliveira da Silva (Genética), Tereza Cristina Aguiar Valadares e Cynthia Rayol de Andrade (Histologia e Embriologia), Armando M. Lacerda Filho e Sidney T. Gomes Bastos (Micologia) e Antônia Elídia H. Idris e Ivanilde M. de Moraes Carvalho (Zoologia).

Com relação aos resultados evidenciados no Catálogo, foram realizados pelo CCB entre 1988 e 1992, 42 eventos, distribuídos em 39 cursos e 3 projetos, sendo os Departamentos de Antibióticos, Anatomia, Biofísica, Histologia, Micologia e Zoologia os que mais se destacaram nesse sentido.

Com base no diagnóstico de 1994, o Centro, a Coordenação e o Colegiado de Extensão puderam visualizar o real perfil da Extensão no CCB e de posse dos resultados, traçar ações ainda viáveis para hoje (em algumas vertentes) e futuras. Nesse trabalho foi realizada uma consulta escrita a todos os docentes do CCB, sendo abordados na sondagem, questões referentes a: conceituação (O que é extensão para você?), caracterização de atividade e pontuação X ascensão funcional.

Setenta e seis por cento dos professores responderam à consulta. Desses, 76% participavam de atividade de extensão. A Extensão foi considerada pela maioria (71%) como repasse de conhecimento, prestação de serviços, assessoria/consultoria acadêmico-científica e programa assistencial em recíproca parceria de ações entre Universidade e comunidade externa. A maioria (75%) caracterizou como atividade de extensão: congressos, cursos, encontros, mesas-redondas, palestras, projetos, simpósios e toda atividade voltada para atendimento à comunidade externa. Sobre a eqüitatividade de pontuação para ensino-pesquisa-extensão, 51% dos docentes foram favoráveis a essa proposta. A outra parte, embora defendendo a diversificação entre os três segmentos, opinou favoravelmente à pontuação de toda atividade de extensão, em prol da progressão funcional do docente. Com base nesses dados apontou-se para a necessidade de:

1. Ampliação das atividades de extensão e reconhecimento das mesmas (como extensão) pelo Regimento da Câmara de Extensão;

2. Abertura e intensificação dos programas já existentes de divulgação dessas atividades à comunidade interna e externa;

3.  Adequação da pontuação-progressão funcional.

De 1994 a 1996, visando atender a prioridade detectada no diagnóstico quanto à divulgação das atividades de extensão/CCB, foi criado o Boletim Informativo de Extensão-CCB, distribuído trimestralmente aos Departamentos do Centro, às Coordenações de Cursos/CCB, às Bibliotecas Central e Setorial, às Diretorias dos Centros da UFPE, aos Representantes de Extensão dos nove Centros, ao Núcleo de TV e Rádio e aos representantes do Fórum de Pró-Reitores de Extensão do Brasil.

No Boletim de Extensão, Ano 1, Nº 5, página 3, out./nov./dez./1995, item “Sugestões” (d), a Coordenação de Extensão do CCB, respaldada pelo Colegiado, sugeriu à Reitoria a implantação de Colegiados de Extensão em todos os Centros da Universidade, a exemplo da realidade do Centro de Ciências Biológicas.

Em 1996, com a mudança de Diretoria no Centro de Ciências Biológicas e a saída voluntária da Coordenadora, Bióloga Marlene Barbosa, assumiu a Coordenação de Extensão, a Professora Norma Buarque de Gusmão (Antibióticos). E a extensão continuou no CCB.

A Reitoria, reconhecendo a importância das atividades de extensão para a UFPE e a necessidade de institucioná-las, criou a Pró-Reitoria de Extensão-PROEXT, determinando que cada Centro instalasse uma Coordenação, tal como havia sido feito, de modo pioneiro, no Centro de Ciências Biológicas. Sem dúvida, essa iniciativa serviu para incentivar e dar maior visibilidade às ações extensionistas promovidas pela comunidade da UFPE.

Infraestrutura e Recursos Humanos

A Coordenação funcionava numa sala ampla de aproximadamente 92 m2, no primeiro andar do prédio administrativo do CCB, onde hoje funcionam o Laboratório II de Informática e o Diretório Acadêmico de Ciências Biológicas. No que concerne aos recursos humanos da Coordenação de Extensão do CCB, essa contava com a participação de: Eduardo José do Nascimento (Historiador/Técnico em Assuntos Educacionais – atuando como Secretário e, posteriormente, Odete Lourenço Cavalcanti), Eugênia Cristina Pereira (Geógrafa), Eunice Gomes Montenegro (Desenhista), Jorge Gusmão Lemos de Freitas (Médico Veterinário), Solange Maria da Fonte Franca (Programadora Visual) e Robério Cavadinha Corrêa (Programador Cultural).

Perspectiva

No contexto atual e uma vez que o CCB sempre foi inovador, implantando, por exemplo, um Colegiado de Extensão e publicando livros e boletins informativos, para divulgar as atividades de extensão, voltam à tona as indagações: E agora? Quais são, no momento, os novos desafios da extensão para o CCB? Será que os anseios da comunidade foram atendidos? Há necessidade de..., consultar a comunidade, agrupar, discutir, combinar... Vislumbram-se MUDANÇAS!!! É chegada a hora de diagnosticar novamente as ações da extensão! Enfim, de se descobrir a missão da extensão no CCB..., de forma plural!!!            

1996 a 2004
A EXTENSÃO AMPLIANDO OS LIMITES DO CCB

Autoras: Maria do Socorro da Silva e Maria do Carmo de Barros Pimentel
 
Após a eleição da Professora Ana Maria Santos Cabral, em 1996, o Centro realizou o seu Planejamento Estratégico como conseqüência da necessidade de reorganizar a gestão administrativa a partir da participação e comprometimento de todos na sua reestruturação. O Planejamento gerou um Plano de Ação (1997 a 2000) com atuação em várias frentes ou Projetos Estratégicos.

A Professora Norma Buarque de Gusmão, Coordenadora da Setorial de Extensão do CCB da época, participou do Plano de Ação articulando o Projeto 6 – A Extensão Ampliando os Limites do CCB, buscando definir com a sua Equipe de Gestão, composta pelas Professoras Maria das Graças Carneiro da Cunha (Vice-Coordenadora da Setorial de Extensão-CCB do período/Bioquímica), Maria do Carmo de Barros Pimentel (Bioquímica) e Silene Carneiro do Nascimento (Antibióticos) e pelo estudante Jarbas Calado Filho (Diretório Acadêmico do Curso de Biomedicina), as estratégias para alcançar os resultados pretendidos pelo Projeto.

Segundo o Plano de Ação, a Extensão do CCB deveria atender às necessidades da comunidade, com ênfase aos programas de conservação do meio ambiente e melhoria da qualidade de vida, através das seguintes ações: realização de seminários sobre o sentido da Extensão; identificação e divulgação das atividades de ponta desenvolvidas no Centro para prestação de serviços e consultoria; representação do Colegiado de Extensão no INTEC; criação de cursos de atualização de acordo com a demanda interna e externa; estabelecimento de contatos com os órgãos públicos e empresas privadas; indicação de professores pelos Departamentos para o Colegiado de Extensão; reuniões periódicas do Colegiado de Extensão; integração entre professores e Empresa Júnior a partir da divulgação nos Departamentos da possibilidade de treinamento nas diversas áreas das Ciências Biológicas.

Com essas ações, os resultados esperados seriam: professores motivados para prestação de serviços; uma maior integração com o INTEC; a promoção de cursos de curta duração; a ampliação da integração do CCB com os órgãos públicos e empresas privadas; o Colegiado de Extensão atuando plenamente; a integração com todos os segmentos do CCB, além do apoio ao registro e ao funcionamento da Empresa Júnior do CCB.

Ainda em 1997, por meio da Resolução 04/97, o Conselho Coordenador de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Federal de Pernambuco discutiu e determinou as diretrizes gerais sobre a extensão universitária; as atribuições dos Coordenadores Setoriais, dos Colegiados de Extensão, da Câmara de Extensão e da Pró-Reitoria de Extensão; os procedimentos para o registro e certificação das ações (Modalidades) extensionistas, a saber: cursos, projetos, eventos e serviços.

Em cumprimento às expectativas do Plano de Ação e às normas estabelecidas pela Resolução 04/97, a Coordenação de Extensão incentivou a criação da Empresa Júnior, hoje Biosfera Jr., trabalhando com um grupo de estudantes dos Diretórios Acadêmicos interessados no Tema até a elaboração de uma proposta de Estatuto para a mesma; estabeleceu com o Colegiado de Extensão reuniões regulares; procurou manter contatos com entidades públicas e privadas (Empresas, Faculdades e Colégios) por meio de veículos diversos de comunicação para divulgação das atividades e solicitação de patrocínio para os eventos; incentivou, divulgou e atualizou o Catálogo de Serviços da UFPE com as atividades desenvolvidas no CCB; apoiou as metas definidas pelos Departamentos; organizou cursos de atualização de acordo com a demanda interna e externa; incentivou a publicação da produção intelectual dos Professores do CCB através do Caderno de Extensão e incentivou, sistematicamente, o registro das ações extensionistas.

Em 2000, a UFPE elaborou o Plano Plurianual de Ação (2000 a 2003) com o objetivo de reformular o modelo de gestão e de planejamento institucional. Após consulta aos Departamentos, o Colegiado de Extensão formulou o Plano Plurianual de Extensão para o Centro, estabelecendo as metas e as ações prioritárias, de acordo com o Programa 4 do Plano Plurianual da UFPE, para a Integração Universidade-Sociedade, na Formação Profissional Contínua e na Produção e Desenvolvimento Cultural.

Além das ações que já estavam sendo desenvolvidas, a Coordenação realizou, por um certo período, uma articulação com o Centro Nordestino de Informações sobre Plantas – CNIP para a discussão de um Programa de Disseminação e Treinamento em Coleta e Transformação de Informação e Conhecimento sobre as Plantas da Região Nordeste, além de incentivar a participação do CNIP nas reuniões do Colegiado de Extensão.

Como previsto, o Colegiado de Extensão manteve uma certa regularidade de reuniões, merecendo especial atenção a análise dos projetos com pedido de bolsas de extensão, devido as dificuldades que o Centro estava enfrentando para aprovação dos seus projetos perante a Câmara de Extensão, fato esse que determinou uma queda significativa na apresentação de novas propostas por parte dos professores. Objetivando aproximar o CCB das discussões sobre os critérios de avaliação dos projetos, o Colegiado decidiu indicar a Coordenadora de Extensão, Professora Maria do Carmo de Barros Pimentel, para representar o Centro na Câmarade Extensão. Resultado: em 2003, os quatro projetos do CCB, submetidos à Proext, passaram por uma rigorosa análise antes do encaminhamento à Proext, os proponentes foram diretamente orientados para a adequação dos projetos às normas estabelecidas pela Câmara, culminando com a contemplação de bolsas para os quatro projetos.

A Coordenação Setorial, durante esse período, participou de todos os Programas Extensionistas promovidos pela UFPE: “Verão no Campus”, “Vivendo o Campus”, “Intercampus”, “Conheça sua Universidade”, etc.

Por outro lado, a Extensão do CCB, como já previa o Plano de Ação e, posteriormente, o Plano Plurianual, não conseguiu organizar o 1º Seminário de Extensão do CCB, em articulação com o Centro de Ciências da Saúde, para discutir o sentido da Extensão; não conseguiu implantar o Programa de Ex-alunos do CCB em parceria com as Coordenações, Diretórios Acadêmicos dos Cursos e Conselhos Profissionais; não conseguiu envolver as comunidades, onde os projetos extensionistas estavam sendo realizados, na sistemática de avaliação dos trabalhos extensionistas e não firmou convênio com o INTEC, devido a problemas operacionais.

Importante, nesse momento, citarmos os nomes de todos os representantes (Titulares) que participaram do Colegiado de Extensão no período de 1996 a 2003: José Antonio Cardoso e Sílvia Moraes (Anatomia); Rosália Maria Oliveira Corrêa Lima, Edvaldo Rodrigues de Almeida e Maria de Fátima Vieira de Queiroz Souza (Antibióticos); Mauricy Alves da Motta, Maria Teresa Jansem Catanho (Biofísica e Radiobiologia); Elizabeth Alves da Motta, Maria da Graças Carneiro da Cunha e Levy Santos Guedes (Bioquímica); Marlene Carvalho de Alencar Barbosa, Gladys Flávia de Albuquerque Melo de Pinna, Marccus Vinicius Alves, Dilosa Carvalho de Alencar Barbosa, Jarcilene Silva de Almeida Cortez (Botânica); Maria Bernadete Sousa Maia e Rosangela Spirópulos Piccolo (Fisiologia e Farmacologia); Éderson Akio Kido, Luiz Maurício da Silva e Rosilda dos Santos Silva (Genética); Rosa Cristina Santiago (Histologia e Embriologia); Oliane Maria C. Magalhães (Micologia); Débora Khoury, Irene Maria Ramos Marques e Kênia Valença Correia (Zoologia).

Ações extensionistas

Como podemos perceber, a Coordenação Setorial atuou sempre, e certamente continuará atuando, de acordo com às necessidades do Centro, entretanto, as suas atribuições são normatizadas pelo Conselho Coordenador de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPE e a Pró-Reitoria de Extensão-PROEXT atua junto à comunidade universitária por meio das Coordenações Setoriais. A Coordenação também vem colaborando com outras Pró-Reitorias, por orientação da Diretoria do CCB, objetivando inserir o Centro em todas as atividades fomentadas pela Universidade nas modalidades de ação de sua competência:

Cursos de Extensão

São todas as atividades de ensino acadêmico, técnico, cultural e artístico não capituladas no âmbito regulamentado do ensino de primeiro e segundo graus, de graduação e de pós-graduação strictu-sensu e latu-sensu da UFPE.

Cursos de Extensão realizados de 1996 a 2004

Projetos de Extensão

São conjuntos de ações extensionistas interrelacionadas e de maior amplitude, envolvendo atividades interdisciplinares eventuais ou permanentes, executados de acordo com uma das linhas prioritárias de ação extensionista definidas pela Câmara de Extensão. Um conjunto de projetos de extensão realizado com o mesmo objetivo e sob uma coordenação comum caracteriza um Programa de Extensão. Os projetos podem ser orientados por um docente ou por técnico-administativo de nível superior pertencentes ao quadro efetivo da UFPE.

Projetos com Bolsa de Extensão realizados de 1997 a 2004

Projetos sem Bolsa de Extensão

Foram registrados na Coordenação Setorial durante todo o período apenas 6 projetos  extensionistas realizados sem bolsa de extensão.

Programas Institucionais

No CCB, não foram registrados, durante este período, Programas de Extensão organizados internamente pelos Departamentos ou vinculados à Diretoria do CCB.

Entretanto, as Pró-Reitorias da UFPE criaram Programas com amplo apoio do CCB:

UFPE para Todos

Um programa criado no ano 2000 para estimular a participação da comunidade acadêmica em projetos de ação voluntária em prol da sociedade. Ao término da execução do Projeto, os professores recebem pontos de estímulo à docência e os alunos, certificados de extensão ou créditos curriculares, que serão explicados mais adiante.

O Programa atua nas áreas de Saúde, Direitos Humanos, Cultura, Comunicação, Meio Ambiente, Tecnologia, Trabalho e Educação.

Disciplina Eletiva “Projeto de Extensão”


Com o UFPE para Todos surge uma terceira possibilidade de reconhecimento da participação do estudante em projetos extensionistas: a Disciplina Eletiva “Projeto de Extensão”, com carga horária de 60 horas e 4 créditos. O estudante participante de quaisquer projetos de extensão (Sem bolsa) poderá computar no histórico escolar os créditos e a carga horária utilizada, desde que o docente-orientador proceda ao registro do Projeto-Disciplina na Coordenação Setorial e no Curso de Graduação.

Até a presente data, a Coordenação Setorial registrou, dentro do modelo, o Projeto de Extensão da Professora Silene Carneiro do Nascimento (Antibióticos) sob o seguinte título: “Quilombo de Conceição das Crioulas”, realizado no interior do Estado (Salgueiro-PE) dentro da Linha de atuação “Educação e Cidadania”.

Intercampus

Programa criado em 1997, sob a coordenação da Diretoria de Normatização do Sistema Educacional da Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco e Pró-Reitoria de Extensão – PROEXT, foi desenvolvido conjuntamente com as seguintes Instituições: Universidade Federal Rural de Pernambuco, Universidade Católica, Universidade de Pernambuco, Fundação Instituto Tecnológico de Pernambuco e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial.

O CCB apresentou no primeiro ano, dez propostas de Cursos. Entretanto, esses cursos ou não foram selecionados pelos municípios participantes ou não foram realizados porque os municípios não ofereciam as condições mínimas necessárias para a realização dos mesmos. Esse fato inviabilizou a participação do CCB nos anos seguintes!

Infocampus

Criado em 1997 pela Pró-Reitoria de Extensão e coordenado pela Professora Judith Kelner, do Departamento de Informática, o CCB participou do Infocampus com a realização do Curso de Introdução ao Windows 3.11, Windows 95 e Comunicação de Rede, ministrado por Flares de Assis dos Santos Barbosa, no mês de julho de 1997, sendo esse, portanto, o único registro do CCB dentro Programa em tela.

Atualmente, cursos de informática são oferecidos com certa regularidade pelo Núcleo de Tecnologia da Informação (Antigo NPD), atendendo a demanda interna e externa.

Programa de Capacitação dos Funcionários da UFPE


Criado no ano de 2000 pela antiga Pró-Reitoria de Apoio Administrativo –PROADM (hoje, Pró-Reitoria para Gestão de Pessoas e Qualidade de Vida – PROGEPE) com o objetivo de incentivar a capacitação permanente do quadro do pessoal técnico-administrativo da UFPE. A Coordenação Setorial trabalhou no CCB em conjunto com a Pró-Reitoria, divulgando e incentivando a realização dos seguintes Cursos: 1. Noções Básicas de Técnicas Laboratoriais, de Vera Lúcia de Menezes Lima (Bioquímica); 2. Práticas no Diagnóstico Laboratorial das Micoses, de Armando Marsden (Micologia); 3. ópicos em Biossegurança, de Frederico Guilherme de Almeida Brayner (Zoologia); 4. Oratória Científica, de Ulysses Paulino de Albuquerque, pela Coordenação Setorial de Extensão-CCB; 5. Curso Básico de Microinformática, de Maria do Socorro da Silva, Secretária da Coordenação Setorial de Extensão-CCB.

Programas Especiais

Além dos Programas Institucionais da UFPE, temos participado de outros Programas, atuando conjuntamente com diversas Instituições:

PEQ/FAT

Até a presente data, os professores e técnico-administrativos do CCB têm participado do PEC/FAT com a oferta de cursos de microinformática, de técnicas laboratoriais, de complementação à escolaridade, de artesanato e sobre o uso de plantas medicinais.

Programa Universidade Solidária - UniSol

Desde o ano de 1996, a UFPE participa do Programa Universidade Solidária-UniSol, que objetiva promover o intercâmbio entre o conhecimento de professores e alunos de universidades de todo o Brasil e a sabedoria da população das cidades do interior do País. Estudantes e professores formam equipes e embarcam para cidades do interior para transmitir informações sobre temas relevantes para a vida da comunidade nas áreas de: saúde, educação, meio ambiente, organização comunitária e cidadania. A Universidade Federal de Pernambuco já encaminhou até o momento equipes para 19 municípios do interior de Pernambuco e outros Estados.

O CCB participou no ano de 1999, aprovando o “Projeto ao Apoio Sustentável de Comunidades no Município de Cortês, Educação Ambiental em Áreas Urbana e Rural”, coordenado pelas Professoras Fernanda Maria de Oliveira Villarouco e Maria do Carmo de Barros Pimentel, da Coordenação Setorial de Extensão – CCB

Eventos de Extensão

São ações que envolvem organização, promoção ou atuação, implicando em apresentação pública, livre ou para clientela específica, objetivando a difusão de conhecimentos, processos ou produtos culturais, científicos ou tecnológicos, desenvolvidos, acumulados ou reconhecidos pela UFPE:

Eventos internos realizados de 1997 a 2004

Eventos Institucionais

O Coordenação de Extensão, além das atividades extensionistas dos seus dez departamentos, tem organizado no Centro os Eventos Institucionais promovidos pela Pró-Reitoria de Extensão – PROEXT e pela Pró-Reitoria para Assuntos Acadêmicos – PROACAD visando a integração universidade-sociedade, citados a seguir:

Verão no Campus

Coordenado pela Pró-Reitoria de Extensão, o evento atende aqueles que desejam, nos meses de janeiro e fevereiro, férias cheias de conhecimento. Todos os anos são oferecidos cursos, palestras, oficinas de atualização e capacitação nas áreas de saúde, ciências, meio ambiente, direito ambiental, cultura, informática, cidadania e educação, voltados ao público em geral, com baixo custo de investimento.

No CCB, não ocorreu o Verão no Campus nos anos de 2002 e 2003 por determinação do Conselho Departamental do Centro devido a falta de espaço físico para a realização dos cursos. Em 2004, para ser reavaliado, o evento deixa de ocorrer na UFPE.

Vivendo o Campus

Surgido em 1997, sob a coordenação da Pró-Reitoria de Extensão-PROEXT, é uma iniciativa de caráter cultural, científica e de lazer. O CCB abre suas portas para todos os setores da sociedade, promovendo visitas guiadas aos laboratórios, palestras, atividades ecológicas, mostras e exposições. Nos três dias do evento, que ocorre normalmente entre os meses de agosto e setembro, temos uma forte presença das escolas públicas e privadas nas atividades programadas pelo Centro.

O evento funciona como uma grande amostra das atividades de pesquisa, ensino e extensão da UFPE.

Observando os números de atividades realizadas em 1997 e em 2002, podemos perceber o quanto o CCB ampliou a sua participação no evento: em 1997, 18 atividades foram organizadas; em 1998, 15 atividades; em 1999, 19; em 2000, 20 atividades; em 2001 não aconteceu o evento e a “surpresa” ocorre em 2002, quando o CCB registrou 57 atividades diferentes, distribuídas nos laboratórios, auditório e anfiteatros, corredores e até mesmo no estacionamento do prédio administrativo do Centro!

Registrou-se também um aumento no número de escolas/colégios visitantes. Em 1997, poucos alunos e escolas, em parte oriundas dos bairros próximos ao Campus Universitário, compareceram ao CCB; em 1998, foram recebidas 26 escolas/colégios e aproximadamente 870 alunos; em 1999, os números não se alteram significativamente; já em 2000 foram atingidas 32 escolas, ficando em torno de 1980 o número de visitantes; em 2001, o programa não foi realizado pela UFPE; em 2002, recebemos aproximadamente 2170 alunos de 69 escolas/colégios. Em 2003 e 2004, o evento não foi realizado pela UFPE.

Para atender a demanda, a Coordenação de Extensão, durante o “Vivendo”, monta um esquema especial de atuação: grupos de estudantes, prioritariamente dos cursos do Centro, ficam de prontidão no hall do CCB aguardando os visitantes. Esses estudantes registram todos os colégios e o número de visitantes interessados pelas atividades programadas pelos dez Departamentos do Centro; acompanham os visitantes até os locais de eventos; quando necessário, dividem os visitantes em pequenos grupos, de acordo com a capacidade máxima permitida pelos locais de atividades.

O que a Extensão objetiva é que seja crescente a participação dos estudantes e dos técnico-administrativos não só na realização, mas também na preparação dos eventos.

Importante registrar que, inicialmente, a idéia de envolver estudantes na realização dos eventos instituicionais foi da Professora Fernanda Maria de Oliveira Villarouco, quando Coordenadora de Extensão (1998 a 2000). A idéia foi tão boa que o mesmo modelo vem sendo adotado nas diversas atividades que a Coordenação de Extensão participa, como ocorreu recentemente durante a realização dos VIII Encontro do CCB e Comemoração dos 35 anos.

Encontro da Extensão – ENEXT


Criado em 1998 pela Pró-Reitoria de Extensão-PROEXT, de ocorrência anual, objetivando discutir com a comunidade externa (Comunidade em geral) e interna (Professores, estudantes e técnico-administrativos) as formas de ampliar, consolidar e diversificar as atividades extensionistas da UFPE, ocorre geralmente entre os meses de novembro e dezembro, com exposição oral e/ou de painéis sobre os resultados parciais dos Projetos de Extensão desenvolvidos pelos bolsistas ou voluntários sob a orientação de docentes e/ou técnico-administrativos de nível superior.

Em 2004, acontecerá o VI Encontro da Extensão – VIENEXT com data prevista para a última semana de janeiro, ocorrendo simultaneamente com o Congresso de Graduação – CONGRAD e o Congresso de Iniciação Científica – CONIC.

Conheça sua Universidade

O Programa foi criado em 2000 pela Pró-Reitoria para Assuntos Acadêmicos-PROACAD com o objetivo de integrar a UFPE à comunidade estudantil de Ensino Médio, fornecendo a estes alunos informações que os auxiliem na escolha consciente do curso acadêmico e profissão a seguir. O Programa ocorre durante o ano todo, com palestras sobre os Cursos de Graduação do Centro, proferidas pela Coordenação Setorial de Extensão e pelos representantes das coordenações dos cursos de graduação do Centro, e com atividades nos laboratórios dos Departamentos do Centro.

A Coordenadora da Setorial de Extensão, Professora Maria do Carmo de Barros Pimentel, foi indicada, em 23 de agosto de 2000, como Interlocutora do Programa no CCB, e como Suplente, a partir de 01 de março de 2001, a Professora Jarcilene Silva Almeida Cortez (Vice-Coordenadora Setorial – Botânica), ficando, desta forma, a Coordenação Setorial de Extensão responsável pela programação das atividades no Centro.

Conseqüentemente, convites surgiram dos colégios do Recife para que a Professora Maria do Carmo participasse dos Workshops, Encontros e Feiras de Profissões, o que vem sendo feito desde 2000, com exposições sobre os cursos de graduação do CCB e distribuição de materiais informativos (Folders).

A partir de uma Pesquisa realizada com os estudantes secundaristas durante as visitas no primeiro semestre de 2002, foi possível avaliar a programação do CCB e se, de fato, as visitas estavam contribuindo para a escolha do curso a seguir.

Dos 103 alunos visitantes no ano de 2002, 65% afirmaram que a visita ao CCB ajudou na escolha do Curso e 62,5% afirmaram que a Programação foi boa. Com relação à carga horária das visitas, parcela significativa dos alunos sugeriu o aumento dessa carga horária para que mais locais fossem visitados (Principalmente, os Laboratórios).

No segundo semestre de 2002, o Programa adotou uma nova sistemática de funcionamento, com a realização de dois eventos: um para o primeiro semestre (Workshop dos Cursos de Graduação) e um outro, durante a realização do Vivendo o Campus (PROEXT):

a) O Conheça sua Universidade dentro do Vivendo o Campus

No ano de 2002, ocorreram os eventos simultaneamente. Alunos do Ensino Médio e Fundamental tiveram a oportunidade de visitar os laboratórios e os stands dos cursos, participaram de jogos educativos e de oficinas didáticas, como também assistiram palestras sobre os Cursos do CCB e a realidade do Mercado de Trabalho, dentre as atividades previstas.

b) I Workshop dos Cursos de Graduação da UFPE

O primeiro Workshop ocorreu em junho de 2003, no Centro de Convenções da UFPE, reunindo estudantes e professores dos Cursos da UFPE. O CCB fez uma pequena mostra das Coleções Didáticas dos Departamentos, além de distribuir materiais de divulgação dos cursos de graduação e apresentar vídeo institucional do Centro, principalmente.

Seminário Interno da Pró-Reitoria de Extensão

Com a posse do novo Reitor, Professor Amaro Henrique Pessoa Lins, e do novo Pró-Reitor de Extensão, Professor Anísio Brasileiro, em novembro de 2003, a Proext realizou o I Seminário Interno, nos dias 18 e 25 de novembro e 2 de dezembro, visando organizar o Plano de Ação para 2004.

A Coordenação acompanhou as três etapas do Seminário e aguarda o Seminário Final quando a Proext utilizará os dados recolhidos para adaptar o Plano de Ação às necessidades e particularidades dos diferentes setores.

Serviços


São atividades de caráter permanente ou eventual que compreendem a execução de, ou a participação em, tarefas profissionais fundamentadas em habilidades e conhecimentos de domínio da Universidade.

Mesmo sendo modalidade extensionista, como prevê a Resolução 04/97, só a partir de 1999 foi proposta pela UFPE uma Resolução para a Regulamentação dos Serviços da Universidade a ser discutida pela comunidade acadêmica. O CCB, através da Comissão de Prestação de Serviços do CCB, formada pelos Professores Maria do Carmo de Barros Pimentel (Coordenadora Setorial de Extensão), Silene Carneiro do Nascimento (Antibióticos); Professora Rosilda dos Santos Silva (Genética) e Armando Marsden (Micologia), secretariada pela Secretaria Administrativa da Coordenação Setorial de Extensão, Maria do Socorro da Silva, encaminha, em 17 de abril de 2002, propostas de mudanças do texto original da Resolução ao Conselho Departamental do CCB.

Desta forma, a prestação de serviços da UFPE não vem sendo registrada pela Pró-Reitoria de Extensão devido aos debates que ainda estão sendo realizados pela Universidade nas suas instâncias superiores. Entretanto, mesmo estando ainda em discussão, os serviços do CCB podem ser acessados no Catálogo de Serviços da UFPE.

Publicações

Mesmo não tendo um veículo interno de divulgação, a Coordenação do CCB utilizou os meios disponibilizados pela Proext para divulgar amplamente as ações extensionistas dos professores e técnico-administrativos dos Departamentos, além das atividades promovidas pelos estudantes vinculados, principalmente, aos Diretórios Acadêmicos de Ciências Biológicas/Ciências Ambientais e de Biomedicina.

Acontece na UFPE


Publicação criada pela Pró-Reitoria de Extensão, inicialmente em formato de Agenda impressa. O objetivo do Acontece é divulgar a programação de extensão da Universidade, tais como: seminários, cursos, reuniões, palestras, wokshops, congressos, etc.

Hoje, a Agenda “Acontece” é eletrônica e a programação mensal do CCB pode ser acessada na Página da Proext: http://www.proext.ufpe.br/eventos_acontece_intro.html.

Cadernos da Extensão

Idealizado pela Pró-Reitoria de Extensão-PROEXT, o primeiro Caderno da Extensão foi lançado em dezembro de 1998, objetivando estabelecer um canal permanente de divulgação e discussão das ações extensionistas realizadas pela comunidade acadêmica da UFPE. Para dar maior unidade à publicação e atrair leitores com interesses específicos, a Pró-Reitoria optou por um formato temático, escolhendo um tema diferente a cada edição, tendo sido a primeira edição dedicada à Saúde.

O CCB publicou na primeira edição os seguintes trabalhos extensionistas:

Fitoterapia: uma Alternativa para quem?

Autores: Ulysses Paulino de Albuquerque e Laise de Holanda Cavalcanti Andrade Botânica (Botânica).

Fique Atento às Leishmanioses

Autores: Professores Éderson Akio Kido e Paulo Paes de Andrade-Genética (GENTROP).

Em junho de 1999, foi lançado o segundo Caderno da Extensão abordando o Tema “Educação”, tendo sido publicado pelo CCB o seguinte trabalho:

1. Modelos do Sistema Genital Feminino para Aulas de Ciências

Autores: Professora Fernanda Maria de Oliveira Villarouco (Anatomia), Danielle Cristine Almeida e Silva, Edneuza M. D. Nascimento, Lígia Ferreira de Lima; Neidjane Trajano do Nascimento, Ricardo Jorge Barbosa Taciana Silva Rabelo de Albuquerque (Estudantes do Curso de Licenciatura em Biologia  da UFPE).

Em 2000, é lançada a terceira edição do Caderno abordando o Tema “Meio Ambiente”. O Centro publicou os seguintes trabalhos:

1. Oficinas de Artesanato com o Lixo na Ilha de Itamaracá – PE

Autores: Profa. Fernanda Maria de Oliveira Villarouco (Coordenação Setorial de Extensão do Centro de Ciências Biológicas da UFPE), Andelita Vieira Macena; Carmen Lúcia Godoi de Melo, Edneuza M. D. Nascimento, Maria Aparecida dos Santos (Estudantes de Licenciatura em Ciências Biológicas  da UFPE).

2. Biodiversidade da Caatinga  (PROGRAMA XINGÓ)

Autora: Profa. Dilosa Carvalho de Alencar Barbosa (Botânica).

3. Diversidade e Adversidade

Autores: Professores José Maria Cardoso da Silva (Zoologia) e Marcelo Tabarelli (Botânica)

4. Educação Ambiental

Autoras: Profa. Dilosa Carvalho de Alencar Barbosa e a Bióloga Marlene Carvalho de Alencar Barbosa (Botânica); Valdelira Maria Costa Portela (Estudante do Curso de Ciências Biológicas-UFPE)

5. Análise da Água como Atividade de Educação Ambiental.

Autores: Prof. Paulo Faltay (Fisiologia e Farmacologia); Luciana Montandon Barreto, Rose Mary Bandeira de Mello e Maria Goreth de Almeida (Secretaria de Educação); Edilson Alves da Silva Júnior (Universidade Católica de Pernambuco-UNICAP).

6. Mapeamento dos Problemas Ambientais de Pernambuco.

Autores: Prof. Paulo Faltay (Fisiologia e Farmacologia e  Espaço Ciência).

De 2001 a 2003, a Proext interrompeu, por falta de patrocinador, a publicação dos referidos Cadernos.

Catálogo de Serviços

Editado pela UFPE com o objetivo de reduzir a distância entre a Universidade e a sociedade, o catálogo apresenta um elenco de possíveis ações extensionistas de todas os Centros Acadêmicos.

O CCB participa nas seguintes categorias:

1 – Capacitação e Treinamento: 63 serviços;

2 – Assessoria e Consultoria: 51 serviços;

3 – Outras categorias: 24 serviços.

Podemos citar como público alvo determinado pelos Departamentos: Professores do 1º e 2º graus, de Universidade e Faculdades públicas e privadas; profissionais da área de saúde, de biologia, de análises clínicas, patológicas e processos biotecnológicos, da indústria em geral, da área de controle de qualidade da água, da área sucro-alcooleira e técnicos de laboratório de fermentação, da área de agronomia; estudantes da graduação e pós-graduação das áreas de saúde, biologia, geografia; pesquisadores do IEL e de pesquisa aplicada das áreas de biologia e medicina; Centros de Pesquisa; Secretarias de Saúde e de Agricultura; Instituições Governamentais; produtores rurais e o público em geral.

Outras atividades

A Coordenação Setorial de Extensão organizou e/ou prestou apoio, por solicitação da Diretoria do CCB e aprovação do Colegiado de Extensão, a algumas festividades do Centro voltadas à comemoração ou à celebração de datas importantes para a comunidade interna, tais como: Festas Juninas (1999 e 2001) e Natal (1997).

Infraestrutura e Recursos Humanos

A Coordenação Setorial de Extensão passou a ocupar, em 1996, uma sala de aproximadamente de 32m2, dividindo espaço com a Revista Biologica Brasilica, Doutorado em Ciências Biológicas e o Programa de Integração Graduação/Pós-Graduação (PROIN) no primeiro andar do prédio do CCB.

Em 1997, o Doutorado em Ciências Biológicas instalou-se num espaço próprio no térreo do CCB e a Revista Biologica Brasilica, apenas por um curto período, ficou sob a responsabilidade da Secretária Administrativa da Coordenação Setorial de Extensão, Maria do Socorro da Silva e, posteriormente, sob a responsabilidade da Professora Leonor Costa Maia, Vice-Diretora do CCB. O PROIN, por sua vez, encerrou suas atividades no mesmo ano e a Coordenação Setorial passou a ocupar todo o espaço.

Entretanto, a estrutura anterior de recursos humanos, período de 1988 a 1996, reduziu-se drasticamente de 1997 até a presente data: dos seis técnico-administrativos anteriormente existentes, com funções diferenciadas, possui hoje a Setorial apenas uma técnica-administrativa, indicada pela Portaria Nº 609 (Processo Nº 23076.001753/97-04, de 05/05/1997) para a função de Secretaria Administrativa (FG 6), sendo, entretanto, a primeira Secretária da Coordenação a ter uma gratificação para exercer a função. O mesmo ocorreu com a Professora Norma Gusmão, que foi a primeira Coordenadora (Processo Nº 23076.009078/96-18, de 17/09/1996) a ter o direito de receber uma gratificação para desenvolver as atividades inerentes. Desta forma, os Coordenadores e Secretários de períodos anteriores trabalharam voluntariamente. Importante lembrarmos que antes de Maria do Socorro da Silva, a Professora Norma foi assessorada por Odete Lourenço Cavalcanti.

Se em 1997, os bens móveis do Setor limitavam-se a um computador “lento” com uma impressora a jato de tinta e alguns birô, cadeiras e armários de aço, a partir de 1998, a Pró-Reitoria de Extensão (antiga PROECIC) e a Diretoria do CCB atuaram sistematicamente para a melhoria da Coordenação, fornecendo os materiais e equipamentos necessários para a implementação dos Programas e Eventos Institucionais no CCB e apoio às ações extensionistas de professores, estudantes e técnico-administrativos do Centro.

A partir de janeiro de 2002, com a implantação de uma taxa de 5% sobre o valor bruto arrecadado pelas atividades extensionistas do CCB, por aprovação do Conselho Departamental do CCB, estando a mesma sob a administração financeira da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco – FADE, a Coordenação Setorial passa a ter recursos próprios para a compra e manutenção de materiais de expediente, de consumo e de equipamentos.

[ voltar ]